Tempo
|

Cavaco rejeita ter influenciado compra de acções do BES

09 dez, 2014

Presidente argumenta que falou do caso "mais de um mês depois de ter ocorrido o aumento de capital por parte do BES".

Cavaco rejeita ter influenciado compra de acções do BES

O Presidente da República nega ter influenciado a compra de acções do Banco Espírito Santo (BES). Cavaco Silva diz que falou um mês depois do aumento de capital do banco.

Em causa estão declarações proferidas durante uma visita oficial à Coreia do Sul, no dia 21 de Julho.

"Surpreende-me muito aquilo que alguns meios de comunicação portugueses têm dito em relação àquilo que eu afirmei, com base nas informações que tinha na altura, na Coreia do Sul", começou por dizer Cavaco Silva, aos jornalistas, esta terça-feira, no México.

Essas declarações, sublinhou o Presidente, "tiveram lugar mais de um mês depois de ter ocorrido o aumento de capital por parte do BES, isto é, mais de um mês depois de os cidadãos terem subscrito, comprado acções do BES".
 
Em conferência de imprensa no final da XXIV Cimeira Ibero-Americana, na cidade mexicana de Veracruz e depois de questionado sobre as informações com base nas quais falou, na altura, da situação do BES, o chefe de Estado português respondeu: "Alguns dos senhores jornalistas escreveram que eu tinha influenciado as decisões dessas pessoas, que tinham ocorrido há muito mais de um mês".

As declarações na Coreia do Sul foram as primeiras do Presidente sobre a crise no BES e no GES. Cavaco Silva considerou na altura que o Banco Espírito Santo estava a salvo dos problemas do Grupo Espírito Santo e elogiou a actuação do governador do Banco de Portugal neste caso.

"O Banco de Portugal tem sido categórico a afirmar que os portugueses podem confiar no BES, dado que as folgas de capital são mais do que suficientes para cobrir a exposição que o banco tem na parte não-financeira, mesmo na situação mais adversa", disse Cavaco Silva durante a visita à Coreia do Sul.

"De acordo com a informação que tenho da próprio Banco de Portugal, considero que a sua actuação tem sido muito, muito correcta", acrescentou.

Vinte audições que não pode perder no caso BES

Todas as notícias sobre a Comissão BES