Tempo
|

"Próximo ano vai ser melhor e 2016 há-de ser melhor ainda"

01 nov, 2014 • Susana Madureira Martins

"Nós havemos de cá estar para garantir que assim é", afirma a ministra das Finanças.

"Próximo ano vai ser melhor e 2016 há-de ser melhor ainda"

Portugal está num caminho de recuperação e o próximo ano tem tudo para correr bem, acredita a ministra das Finanças.

Maria Luís Albuquerque, que este sábado visitou Palmela, no distrito de Setúbal, pelo qual foi eleita deputada, declarou que “2015 vai ser, claramente, um ano melhor, 2016 há-de ser melhor ainda e nós havemos de cá estar para garantir que assim é”.

A ministra das Finanças não baixa a guarda e acena com o medo do que pode acontecer no caso de se voltar atrás na política de rigor orçamental.

“Não faz sentido dizer que temos de abandonar a consolidação orçamental para poder crescer e temos que continuar este caminho, até porque, como sabemos e todos reconhecemos, aquilo que conseguimos é muito, mas é ainda frágil”, sublinhou.

O pior que pode acontecer ao país é melhorar e piorar outra vez, diz Maria Luís Albuquerque, que acrescenta: o Orçamento agora aprovado mantém a funcionar aquilo que dentro do Estado é fundamental, como é o caso da saúde.

“Nós damos mais meios ao Serviço Nacional de Saúde, que tem ainda espaço para racionalização, que é possível ainda com poupança  de recursos continuar a prestar um serviço muita qualidade aos cidadãos e continuamos a apostar numa prestação de cuidados de saúde mais eficaz, mais efectiva para as populações, com qualidade e com os recursos necessários”, referiu a governante.

Neste discurso em Setúbal, Maria Luís Albuquerque fez uma espécie de balanço orçamental sobre a segurança social, a educação ou a defesa, exemplos de que mesmo com rigor orçamental é possível progredir, argumentou.