Tempo
|

Ensaio Geral no Festival Literário de Castelo Branco

11 abr, 2015

O escritor João de Melo e o músico João Afonso são os convidados da Renascença.

Ensaio Geral no Festival Literário de Castelo Branco
Ensaio Geral no Festival Literário de Castelo Branco

Na terceira edição do Festival Literário de Castelo Branco, que a partir de agora se passa a chamar “Fronteira”, o "Ensaio Geral" entrevistou o escritor João de Melo e o músico João Afonso. De um podemos dizer que será sempre o autor do premiado livro “Gente Feliz com lágrimas”, do outro poderemos sempre dizer que é o músico sobrinho de Zeca Afonso.

Sobre esta provocação no "Ensaio Geral" começaram por explicar, no caso de João de Melo, que “é muito português todos os escritores terem absolutamente um livro acima dos outros e ser conhecido por ele”. E concluiu que “ainda bem que tenho um 'Gente Feliz com Lágrimas' que já passou de uma geração para a geração seguinte e que tem 25 anos e 25 edições”.

Já João Afonso, não negando as suas raízes familiares, lembrou que é também sempre o autor do tema “Missangas”. Mas acrescentou que “ser sobrinho de José Afonso enche-me de prazer e honra e no inicio foi uma alavanca”.

Neste "Ensaio Geral", gravado no dia em que a Renascença completou 78 anos, falou-se de música e de literatura. João de Melo, falando do seu último livro “Lugar caído no crepusculo”, explicou o seu reencontro com a arte da escrita. Depois de um prolongada interrupção enquanto exerceu funções de adido cultural na Embaixada de Portugal em Madrid, João de Melo afirmou que “a literatura sempre foi a minha vida, só que eu andei a enganar-me com outras coisas, nomeadamente com a necessidade do pão para a boca e para a familia. Mas eu sempre fui um escritor”.

Falando dos seus novos projectos, um novo livro e o regresso a uma obra interrompida, João de Melo considerou que a escrita é “seguramente a minha mais antiga vocação e é aquela em que eu descobri a minha propria individualidade que se traduz quer nos livros que escrevi e nos temas que abordo, quer na geografia mas sobretudo na linguagem.”

João Afonso, que falou da influência africana na sua obra, lembrou a ligação à literatura no seu último disco “Sangue Bom” em que conta com a colaboração dos escritores José Eduardo Agualusa e Mia Couto.

No "Ensaio Geral" ficaram também as sugestões de Guilherme d'Oliveira Martins. O presidente do Centro Nacional de Cultura apresenta um conjunto de livros para ler.