Tempo
|

Um Grammy latino para Carlos do Carmo, um fadista com história

01 jul, 2014

É considerado "um dos maiores fadistas do seu tempo" e uma das "mais emblemáticas vozes da música portuguesa".

Um Grammy latino para Carlos do Carmo, um fadista com história

A Latin Recording Academy agraciou o fadista Carlos do Carmo com o Grammy "Lifetime Achievement", uma distinção que pretende celebrar a carreira de um artista. A notícia está a ser avançada pela produtora do artista.

O fadista torna-se assim o primeiro português a ganhar este Grammy latino, que vai ser entregue 19 de Novembro no Hollywood Theater da MGM, em Las Vegas, Estados Unidos.

"O 'Board of Trustees' da Latin Academy of Recording Arts and Sciences [LARAS] decidiu, por unanimidade, atribuir a Carlos do Carmo o 'Lifetime Achievement Award', galardão que distingue a obra das grandes referências do panorama musical internacional", indica a produtora do fadista em comunicado.

O fadista, de 74 anos, tem sido distinguido ao longo da carreira com vários galardões, entre eles, o Prémio Goya da Academia de Artes Cinematográficas de Espanha, pela interpretação de "Fado da Saudade".

Um estilo inconfundível
Em comunicado, a academia norte-americana considera Carlos do Carmo "um dos maiores fadistas do seu tempo", referindo que é filho da "lendária fadista Lucília do Carmo, que teve um papel importante na sua carreira, que se prolonga há mais de 50 anos". É ainda apontado como uma das "mais emblemáticas vozes da música portuguesa".

No mesmo texto, a LARAS refere que o fado tem sido o "cerne da sua música, mas a sua forma distintiva de interpretar, o seu timbre, e a sua afinidade com a canção francesa e a bossa nova brasileira" permitem-lhe "criar um estilo inconfundível".

Do vasto repertório do fadista, são referidos os fados "Duas lágrimas de orvalho", "Lisboa menina e moça" e "Canoas do Tejo". Também são discriminados alguns palcos de referência que o fadista pisou, designadamente o Olympia, em Paris, a Alter Oper, em Frankfurt, e o Royal Albert Hall, em Londres.

Carlos do Carmo "desempenhou um papel fundamental na candidatura do fado a Património Cultural Imaterial da Humanidade através dos seus inúmeros concertos, gravações e a participação, em 2007, no filme "Fados", de Carlos Saura", lê-se na mesma nota.

O prémio Carreira distingue os artistas pelo conjunto da obra que produziram, ao longo da sua carreira, e não devido ao êxito que lograram com determinada canção ou álbum.

Uma carreira com 50 anos
Carlos do Carmo completou 50 anos de carreira em 2013. E em Lisboa, na Cordoaria Nacional, ainda está patente a exposição comemorativa desse cinquentenário.

Promovida pelo Museu do Fado, "Carlos do Carmo - 50 Anos" reúne um acervo documental da carreira do fadista, que vai das artes plásticas aos filmes, discografia, cartazes, troféus e medalhística. A entrada é livre.

Veja a fotogaleria