Bancos portugueses registam os maiores lucros dos últimos 15 anos

26 jul, 2023 - 16:31 • Diogo Camilo

A banca teve resultados positivos superiores a 3 mil milhões de euros, muito graças ao aumento da diferença entre os juros cobrados nos empréstimos e os juros pagos nos depósitos.

A+ / A-

Os lucros dos bancos portugueses dispararam mais de 50% no ano passado, para o melhor resultado desde a crise financeira de 2007, apresentando contas líquidas positivas pelo quinto ano consecutivo.

Segundo o Banco de Portugal, a banca acumulou lucros de 3,12 mil milhões de euros, muito graças ao aumento da margem financeira, ou seja, a diferença entre os juros cobrados nos empréstimos e os juros pagos nos depósitos, que atingiu o seu maior valor desde 2003.

Depois de seis anos em terreno negativo entre os anos de 2011 e 2017, os bancos portugueses registaram o seu melhor resultado dos últimos 15 anos.

É preciso recuar até 2007, quando a banca registou lucros de 3,93 mil milhões de euros, para encontrar um ano melhor.

A subida em relação ao ano passado foi de 1.150 milhões de euros, que se traduz num crescimento de 58% em comparação com 2022.

Em parte, este aumento dos resultados líquidos está relacionado com a subida de 1.381 milhões de euros da margem financeira e com a diminuição de cerca de 600 milhões de euros dos custos com a constituição de imparidades e de provisões.

“O aumento da margem financeira ocorreu num contexto em que as taxas de juro dos empréstimos tiveram uma resposta mais rápida à subida dos juros nos mercados interbancários do que as taxas de juro dos depósitos. No final de 2022, esse diferencial era de 3,30 pontos percentuais, o valor mais elevado desde 2003, ano inicial das séries de taxas de juro divulgadas”, refere o Banco de Portugal.

Saiba Mais
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Americo
    26 jul, 2023 Leiria 20:32
    Viva o Costa,......

Destaques V+