Lisboa

​Cineteatro Turim. As cortinas que “apaixonaram pessoas” voltam a abrir-se

14 set, 2023 - 22:00 • Redação

Emblemático espaço cultural da freguesia de Benfica, em Lisboa, reabre no sábado para trazer a cultura de volta ao bairro. Presidente da junta, Ricardo Marques, conduziu a Renascença através de uma visita guiada ao Turim, que promete uma programação muito variada, com um espaço de restauração e lazer. “Muito do que vai acontecer no Turim será sempre uma experiência muito maior do que apenas vir ver o filme”.

A+ / A-

Os baldes de cimento amontoam-se à entrada. O cheiro a tinta ainda se sente no ar na contagem decrescente para a reabertura do Cineteatro Turim, na freguesia lisboeta de Benfica. As cortinas vão voltar a abrir-se e as luzes a ligar-se, este sábado, dia 16 de setembro.

De fundo ainda se ouve o barulho das obras, dos berbequins a trabalhar, ainda se vê as ferramentas amontoadas no meio do chão. São os últimos preparativos até a grande reabertura deste sábado. “Vai ser até a última”, diz à Renascença Ricardo Marques, presidente da Junta de Freguesia de Benfica.

O icónico espaço lisboeta foi o primeiro cinema na zona norte da capital. As cadeiras, as vitrines e as cortinas continuam a ser as mesmas que “apaixonaram pessoas” durante os tempos áureos da década de 80 e 90. O cheiro a tinta fresca e do cimento mistura-se com o brilho e o glamour que o Turim continua a ter, passados 40 anos.

“Todo o conceito do edifício resultou desta conjugação das memórias antigas, mas também daquilo que é necessário ter numa sala de espetáculos moderna”, sublinha o autarca.

O sentimento de quem é responsável pela reabertura do Cineteatro Turim, uma promessa da campanha eleitoral das autárquicas, é de “um duplo sentimento: é um sentimento que ainda falta muita coisa para fazer e, portanto, de preocupação, mas também de muita satisfação”, reconhece o presidente da junta.

Reviver memórias e criar novas recordações

Ricardo Marques salienta que os “open days” realizados em outubro passado fizeram regressar as memórias de muitas pessoas em relação ao espaço. “Muito que vamos ver do Turim agora, saiu desses dois dias, da auscultação dos nossos moradores e o que sentimos nessa altura era que esta sala trazia em si um peso especial, que era o peso das memórias.”

O autarca contou que ouviu de quem passou naqueles dois dias pelo Turim frases de pais para filhos como: “foi aqui que conheci a tua mãe”, “foi aqui que nos conhecemos e começamos a namorar”, “alguns pais contavam aos filhos os filmes que aqui tinham visto e isto acabou por marcar a importância deste espaço”, salienta o presidente da junta.

A reabertura do Turim não pretende ser apenas um espaço para reviver memórias, mas também para criar novas recordações na cabeça das gerações mais novas e fomentar a cultura na capital.

“O Turim está pensado e idealizado para ser um espaço de fusão cultural e artística, um espaço emergente na cidade de Lisboa que dê espaço a novos artistas e as escolas artísticas de Lisboa”, afirma Ricardo Marques.

“Muito maior do que apenas vir ver o filme”

Ao longo das semanas, após o renascer da sala de espetáculos, pretende-se que o Turim tenha uma programação muito variada, desde teatro, cinema, música e palestras. Para o responsável: “Muito do que vai acontecer no Turim será sempre uma experiência muito maior do que apenas vir ver o filme”.

De acordo com o responsável, a autarquia fez um contrato de arrendamento a dez anos com a família de Afonso Moreira, proprietária do espaço. O custo de aluguer é de cinco mil euros e as obras de intervenção têm um custo estimado de 450 mil euros. A remodelação do Cineteatro Turim teve o apoio da Câmara de Lisboa e foi inserido no programa municipal “Um Teatro em Cada Bairro”.

O presidente da Junta de Freguesia de Benfica lembra o esforço financeiro feito pela família de Afonso Moreira, proprietária do espaço, e das suas filhas, as atrizes Anabela e Margarida Moreira, em manter o cineteatro aberto, bem como o esforço feito pelo presidente da Câmara de Lisboa, Carlos Moedas.

Ricardo Marques estima que o custo anual médio de funcionamento do espaço cultural será de 350 mil euros, valor gasto em programação, manutenção, recursos humanos e contratos.

Para a inauguração são esperados dois dias de festa, com teatro infantil, as presenças de Rui Pregal da Cunha, vocalista dos Heróis do Mar, lançados no Calhariz de Benfica nos anos 80, o cantor Dino D’Santiago, a atriz Margarida Moreira, o bailarino Cifrão, além da projeção do filme “Ghostbusters”, seguido do debate com Nuno Markl.

“O Menino da Lágrima” dinamiza Turim

O Cineteatro Turim conta com a parceria da associação O Menino da Lágrima, um grupo de pessoas com ligações a Benfica da qual fazem parte Nuno Markl, Ana Bacalhau ou Filipe Melo. Todas as quartas-feiras a programação do cineteatro ficará a cargo da associação.

A parceria resultou de um concurso público para a dinamização do espaço. O Turim, segundo as palavras do autarca, pretende ser um espaço de fusão e muito ligado à comunidade de Benfica.

Além da programação cultural, o Turim também pretende ter espaço para a gastronomia. O Arcade Bar, gerido pela associação O Menino da Lágrima, terá diversas atividades correlacionadas com a programação cultural.

O Arcade Bar será um espaço de snack-bar, com máquinas de jogos arcade e com uma pequena “sala da avó dos anos 80 e 90”, com decoração retro e néones.

De acordo com Patrícia Ameixial, a associação pretende fomentar um conjunto de atividades culturais, como ciclos de cinema, tentando sempre conjugar a atividade do bar.

“Vamos ter um dia por semana em que vamos ser co-parceiros pela programação cultural, vamos ter, por exemplo stand up comedy’ e filmes com debates organizados pelo Nuno Markl.”

Para a porta-voz da associação, a importância da presença de “grandes” nomes da música e da comunicação vai muito para além da visibilidade.

“Acima de tudo é o facto de eles serem grandes criadores de conteúdo nos diversos temas culturais, o objetivo da associação é a coesão de um grupo de pessoas unidas para fazer e promover cultura.”

Nos primeiros dias de inauguração a associação vai promover uma exposição de diversos artistas plásticos com interpretações do “mítico” quadro do Menino da Lágrima.

Durante o fim de semana de reabertura, a associação vai ainda promover dj´s sets com músicas temática dos anos 70, 80 e 90.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+