Cinema

Óscares. Quem são os favoritos à vitória nas principais categorias?

11 mar, 2023 - 08:23 • João Malheiro

A Renascença olha para as categorias mais mediáticas da principal gala do Cinema internacional e tenta perceber quem tem melhores hipóteses de sair com a estatueta dourada.

A+ / A-

Depois de quase três meses de galas de prémios, a derradeira cerimónia realiza-se já na madrugada de domingo para segunda-feira.

A cerimónia dos Óscares é a última e mais importante paragem da "award season". Até aqui, os principais nomeados tentam aumentar as suas probabilidades de vitórias, vencendo outros prémios que podem refletir a tendência de voto da Academia de Cinema norte-americana.

A Renascença faz as contas dos principais prémios que já foram atribuídos e quem é que parte para a noite dourada de Hollywood em maior vantagem.

Melhor Argumento Original

Os nomeados:

  • "Os Espíritos de Inisherin", escrito por Martin McDonagh
  • "Os Fabelmans", escrito por Steven Spielberg e Tony Kushner
  • "Tár", escrito por Todd Field
  • "Triângulo da Tristeza", escrito por Ruben Östlund
  • "Tudo em Todo o Lado ao Mesmo Tempo", escrito por Os Daniels

Os candidatos à vitória:

  • "Os Espíritos de Inisherin" ou "Tudo em Todo o Lado ao Mesmo Tempo"

Pode ser esta categoria a marcar o começo de uma noite de sonho para "Tudo em Todo o Lado ao Mesmo Tempo". O improvável candidato tem nesta categoria a vitória mais improvável da cerimónia.

A força recente tem estado no guião de Daniel Kwan e Daniel Scheinert, vencendo nesta categoria nos Spirit Awards (prémios do Cinema independente) e nos Writer's Guild Awards (prémios dos argumentistas norte-americanos).

No entanto, esta sequência de vitórias não é um xeque-mate, porque o outro grande candidato, "Os Espíritos de Inisherin", não era elegível para os Writer's. O argumento de Martin McDonagh tem a seu favor uma vitória nesta categoria nos BAFTA e nos Globos de Ouro. Apesar disso, estes dois prémios são menos favoráveis à vitória do que os colecionados pelos The Daniels.

Melhor Argumento Adaptado

Os nomeados:

  • "A Oeste Nada de Novo", escrito por Edward Berger, Lesley Paterson e Ian Stokell
  • "A Voz das Mulheres", escrito por Sarah Polley
  • "Glass Onion: Um Mistério Knives Out", escrito por Rian Johnson
  • "Top Gun: Maverick", escrito por Ehren Kruger, Eric Warren Singer e Christopher McQuarrie
  • "Viver, escrito por Kazuo Ishiguro

Os candidatos à vitória:

  • "A Oeste Nada de Novo" ou "A Voz das Mulheres"

O peso pesado dos BAFTA, "A Oeste Nada de Novo", pode ter nesta categoria uma barómetro da influência dos prémios britânicos nos resultados dos Óscares.

É a vitória nos BAFTA que dá a esta produção da Netflix alguma esperança para tentar disputar as principais estatuetas, num trabalho excecional de adaptação de um dos romances de guerra mais famosos do século XX.

Do outro lado, está Sarah Polley, já vencedora da mesma categoria, em 2006. "A Voz das Mulheres" é o filme que tem mais hipóteses de vencer, tendo já colecionado o prémio equivalente dos Writer's Guild Awards.

É, ainda, importante referir que os prémios de Melhor Argumento nos Óscares costumam ser uma cábula para a categoria de Melhor Filme: Nos últimos dez anos, quem venceu o grande prémio da noite também venceu nas categorias respetivas de guionismo.

Melhor Ator Secundário

Os nomeados:

  • Barry Keoghan, em "Os Espíritos de Inisherin"
  • Brendan Gleeson, em "Os Espíritos de Inisherin"
  • Brian Tyree Henry, em "Causeway"
  • Judd Hirsch, em "Os Fabelmans
  • Ke Huy Quan, em "Tudo em Todo o Lado ao Mesmo Tempo"

Os candidatos à vitória:

  • Ke Huy Quan

Aqui não há lugar para dúvidas. Será, à partida, a categoria mais óbvia da noite, porque Ke Huy Quan demonstrou ser um favorito imparável nas principais galas de prémios, com a exceção dos BAFTA.

Venceu Globos de Ouro e os importantes SAG (prémios dos atores norte-americanos) na categoria equivalente e também levou o prémio Spirit para casa, numa categoria sem divisão de género e em que havia outros nove nomeados.

A performance de Ke Huy Quan é das bases emocionais de "Tudo em Todo o Lado ao Mesmo Tempo" e a narrativa mediática à volta de uma carreira que parecia acabada, ainda na infância, e que agora renasceu deverá ser irresistível para os eleitores da Academia norte-americana.

Melhor Atriz Secundária

As nomeadas:

  • Angela Bassett, em "Pantera Negra: Wakanda para Sempre"
  • Hong Chau, em "A Baleia"
  • Kerry Condon, em "Os Espíritos de Inisherin"
  • Jamie Lee Curtis, em "Tudo em Todo o Lado ao Mesmo Tempo"
  • Stephanie Hsu, em "Tudo em Todo o Lado ao Mesmo Tempo"

As candidatas à vitória:

  • Jamie Lee Curtis ou Kerry Condon

Angela Bassett partiu para a época de prémios com algum favoritismo, mas apenas conseguiu conquistar as galas dos críticos (Critic's Choice e Globos de Ouro) - as que não têm eleitores da Academia. À partida, não estará na corrida.

Mais provável será a vitória de Jamie Lee Curtis, por ter conseguido o tão importante SAG na categoria equivalente, numa atribuição que serviria para celebrar a carreira da veterana que deu os primeiros passos no Cinema em 1978, com o primeiro "Halloween".

No entanto, é possível que Jamie Lee Curtis perca alguns votos para Stephanie Hsu, que também é das grandes revelações de "Tudo em Todo o Lado ao Mesmo Tempo". Se as colegas de elenco dividirem o voto entre si, isso poderá beneficiar Kerry Condon.

A atriz irlandesa é mesmo quem tem a maior probabilidade de receber um Óscar por "Os Espíritos de Inisherin" e a vitória nos BAFTA dá-lhe hipóteses de sonhar na gala deste fim de semana.

Melhor Realizador

Os nomeados:

  • Martin McDonagh, por "Os Espíritos de Inisherin"
  • Os Daniels, por "Tudo em Todo o Lado ao Mesmo Tempo"
  • Ruben Östlund, por "Triângulo da Tristeza"
  • Steven Spielberg, por "Os Fabelmans"
  • Todd Field, por "Tár"

Os candidatos à vitória:

  • Os Daniels

Tem havido uma tendência de atribuir favoritismo a Steven Spielberg, nem que fosse pelo típico Óscar de carreira. Mas, tal como Angela Bassett, Spielberg é mais candidato na teoria do que tem sido na prática. E o Óscar é um prémio que já ganhou.

O galardão deve mesmo ir para Daniel Kwan e Daniel Scheinert, sem ter em conta que, por esta altura da gala, a dupla pode já ter ganho o prémio de Melhor Argumento Original.

Os principais sinais desta vitória estão, sobretudo, no sucesso nos Director's Guild Awards (os prémios dos realizadores norte-americanos) e nos Spirit. Para além disso, é "Tudo em Todo o Lado ao Mesmo Tempo" que tem todo o favoritismo em relação aos restantes filmes desta categoria.

Curiosamente, o realizador de "A Oeste Nada de Novo", Edward Berger, que venceu nos BAFTA, nem sequer está nomeado para os Óscares.

Melhor Atriz

As nomeadas:

  • Ana de Armas, em "Blonde"
  • Andrea Riseborough, em "Para Leslie"
  • Cate Blanchett, em "Tár"
  • Michelle Williams, em "Os Fabelmans"
  • Michelle Yeoh, em "Tudo em Todo o Lado ao Mesmo Tempo"

As candidatas à vitória:

  • Michelle Yeoh ou Cate Blanchett

A par do seu parceiro de cena, Ke Huy Quan, Michelle Yeoh é a grande favorita a uma vitória histórica - seria a primeira atriz asiática a levar a estatueta para casa.

Não há maior representante do que é o carinho e a força que a indústria deu a "Tudo em Todo o Lado ao Mesmo Tempo" do que Yeoh, uma veterana de filmes de ação que, finalmente, tem o seu tempo na ribalta. Para ajudar as suas probabilidades, conta com uma vitória previsível nos SAG e nos Spirit, onde fez discursos muito emotivos.

Cate Blanchett surge como uma possibilidade que não pode ser descartada, graças à sua vitória nos BAFTA e à valorização que teve nas galas dos críticos de Cinema.

No entanto, entre dar o terceiro Óscar a Blanchett por um papel que não supera os melhores da sua carreira, ou premiar pela primeira vez Michelle Yeoh numa das melhores interpretações dos últimos anos, a Academia deverá optar pela segunda opção.

Melhor Ator

Os nomeados:

  • Austin Butler, em "Elvis"
  • Bill Nighy, em "Viver"
  • Brendan Fraser, em "A Baleia"
  • Colin Farrell, em "Os Espíritos de Inisherin"
  • Paul Mescal, em "Aftersun"

Os candidatos à vitória:

  • Austin Butler ou Brendan Fraser

A categoria de Melhor Atriz é entre uma clara favorita e uma alternativa mais improvável. Não é o caso da categoria de Melhor Ator, que é uma corrida completamente equilibrada a dois.

Austin Butler deixou-se absover no papel de Elvis Presley e recebeu o BAFTA e um Globo de Ouro. Este tipo de interpretação metódica costuma ser bem recebida pela Academia, como serve de exemplo a vitória de Rami Malek no papel de Freddie Mercury em "Bohemian Rhapsody", nos Óscares de 2019.

Do outro lado está Brenan Fraser, que também venceu um Globo de Ouro e levou para casa o prémio nos SAG - o que poderá ser mais significativo. O papel de Fraser tem um carga dramática considerável e tem também um enorme peso em termos de próteses e maquilhagem. É, igualmente, um tipo de papel que costuma ser valorizado nos Óscares.

Brendan Fraser pode, contudo, ter uma última carta na manga: Tal como Michelle Yeoh e Ke Huy Quang, a carreira de Fraser está a ter uma nova vida, depois de anos afastados da ribalta. O apreço pelo caráter do ator norte-americano pode dar-lhe a vantagem decisiva na disputa contra Austin Butler.

Melhor Filme

Os nomeados:

  • "A Oeste Nada de Novo"
  • "Avatar: O Caminho da Água"
  • "A Voz da Mulher"
  • "Elvis"
  • "Os Espíritos de Inisherin"
  • "Os Fabelmans"
  • "Tár"
  • "Top Gun: Maverick"
  • "Triângulo da Tristeza"
  • "Tudo em Todo o Lado ao Mesmo Tempo"
Os candidatos à vitória:
  • "Tudo em Todo o Lado ao Mesmo Tempo"

O único verdadeiro sinal de disrupção deste favoritismo só se verificou nos BAFTA, em que o vencedor desta categoria foi "A Oeste Nada de Novo".

De resto, as galas de prémios têm sido sempre um espaço de celebração de "Tudo em Todo o Lado ao Mesmo Tempo". O filme da dupla Daniels recebeu o principal prémio das guildas dos produtores, realizadores, atores e escritores norte-americanos. É apenas o quinto filme a conseguir este feito. Os restantes foram "Beleza Americana" (1999), "Este País Não É para Velhos" (2007), "Quem Quer Ser Milionário" (2008) e "Argo" (2012) - todos estes filmes ganharam o grande prémio dos Óscares.

A história não acaba aqui. Segundo contas da "IGN", "Tudo em Todo o Lado ao Mesmo Tempo" é o filme mais premiado de sempre, batendo um recorde que era detido por "Senhor dos Anéis: O Regresso do Rei" (2003). O filme de Peter Jackson tinha 101 vitórias, enquanto "Tudo em Todo o Lado ao Mesmo Tempo" já conta com 158 prémios, e ainda faltam os Óscares. É importante referir, porém, que nem todos os prémios da atualidade existiam há 20 anos.

O filme estreou internacionalmente há exatamente um ano. Em Portugal, estreou a 7 de abril de 2022, numa altura pouco comum para quem quer dominar as narrativas à volta da época de prémios. "Tudo em Todo o Lado ao Mesmo Tempo" conseguiu marcar os críticos, os espectadores e a indústria de tal forma que ninguém se esqueceu desta obra, apresentando-se, a poucos dias dos Óscares, como o único favorito lógico.

Saiba Mais
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+