Clericus Cup. Diocese de Vila Real é tetra campeã, com ajuda do "Ronaldo" dos padres

06 jul, 2023 - 00:06 • Liliana Carona

Uma centena de atletas de futsal, padres, disputaram esta semana, em Mangualde, o torneio Clericus Cup. Com treinos semanais, conciliar a vida pastoral com o desporto, nem sempre é fácil, mas é possível e os treinadores garantem mesmo estar na presença de “jogadores profissionais”.

A+ / A-

Foram muitas semanas de treino, uma vez por semana, a vida pastoral não permite mais, mas o empenho é máximo. A diocese de Vila Real, que acaba de se sagrar tetra campeã da Clericus Cup, está habituada a chegar às decisões, porque, dizem os atletas desta equipa, têm o melhor jogador.

André Meireles, 32 anos, é considerado um "Cristiano Ronaldo" dos padres. Sacerdote há seis anos, confirma: “A minha missão em campo é fazer golos. Tenho sido sempre dos melhores marcadores, ainda agora na Roménia fui o melhor marcador. Sim, sou o melhor jogador em campo, dado aos factos, procuro ajudar a equipa, naquilo que melhor sei fazer, a minha posição também ajuda, tenho um bom remate e finalizo bem”, diz, sem modéstias, porque “os factos falam por si”.

“Temos de ser conscientes do que somos e fazemos, sou pouco disciplinado, mas não é presunção. Nunca ganhamos sozinhos. Marquei em todos os jogos. Faz parte do nosso ADN ganhar. Desde que sou sacerdote, participei em todos os campeonatos europeus, em Itália, depois frente à Bósnia, onde ganhámos, depois em Praga, onde fomos infelizes e este ano perdemos em Praga frente à Polónia”, descreve sobre o percurso desportivo.

Os treinos poderiam ser mais frequentes, mas “a realidade pastoral às vezes não permite” e por isso Meireles treina a nível individual. “Faço cardio e participo nas maratonas de futsal na minha zona. Eu acho que vou jogar novamente pela Seleção, no campeonato, na Albânia, em fevereiro, para conquistar a vitória que nos escapa há dois anos. O velho ditado: mente sã em corpo são, sentimos uma maior liberdade, confiança e alegria”, afirma, sorridente.

E porque escolheu este atleta ser padre? “Fui para padre porque sentia alegria em ajudar as pessoas, e quando participava na eucaristia, ficava sempre um bichinho”, recorda.

"Os senhores padres não reclamam com os árbitros"

E se contra factos não há argumentos, em campo, Mateus Martins, 20 anos, o árbitro de serviço, só queria ter sempre jogadores como estes, os padres.

“É uma experiência nova, é a primeira vez que arbitro um jogo de padres. São muito tranquilos e respeitosos. Eles estão aqui para se divertir e tirar uma folga. Se todos os jogos fossem com padres, era muito calmo. Ouvimos muito dos jogadores, mas com os senhores padres não ouvimos nada, não contestam os lances nem fazem pressão, reclamam uma vez e fica decidido”, conta à Renascença.

Não reclamam quase nada, os padres, até porque nas bancadas apoio não falta. Maria Puga, 14 anos, entre estar em casa e ver o jogo, optou por aplaudir os sacerdotes em campo, juntamente com as amigas.

“Estávamos em casa fechadas e decidimos ver os padres jogar e ajudar nas águas e reciclar. Um jogo abençoado, estou a gostar bastante, são muito unidos”, observa a jovem, aluna do 8.º ano de escolaridade em Mangualde.

Treinos, disciplina e muita alegria

Na final, as dioceses de Braga (Braga 1/Bracara) e Vila Real ficaram frente a frente. Saiu vencedora a equipa transmontana, com 5 golos marcados, face a 1 golo da equipa adversária.

O treinador da equipa da diocese de Vila Real, Paulo Gonçalves, de 49 anos, que já foi atleta de alta competição de futsal, e que não é padre, fala de uma equipa profissional.

“Temos bons resultados por causa dos atletas, mas não lhes diga nada. Isto é praticamente uma equipa profissional, não sou brando com eles, que é para depois vermos resultados, tem de haver disciplina. Aqui dentro deixam de ser padres”, garante Paulo Gonçalves.

O "mister" sublinha que os sacerdotes também como amigos. “Já recorri a eles para pedir conselhos. Mas isto é para acabar, sinto que os sacerdotes agora formados, não estão virados para o desporto. Acho que esta é a última geração, ficam mais velhos, têm lesões”, lamenta.

A disciplina dos treinos repete-se a cada semana, a pensar na competição europeia, onde alguns destes padres têm presença garantida. Não será o caso do padre Domingos Machado, 54 anos, da arquidiocese de Braga, sacerdote há 29 anos, que considera que “a idade o levou a ir para a baliza”, mas diz que o mais importante é: “gostarem de futebol”. “Enquanto puder estarei por cá. É uma forma de descontrairmos um bocado e estarmos com os nosso colegas”, conclui.

“Está a acontecer no futsal o que aconteceu com os seminários”

Todas as quintas-feiras, os sacerdotes da diocese de Vila Real juntam-se não apenas para jogar. “É um convívio, jogamos cartas, pingue-pongue, futebol, jantamos e convivemos”, relata Ivo Coelho, sacerdote há 13 anos.

Atualmente com 39 anos, percorre 75 quilómetros para assegurar o serviço pastoral nas paróquias e manter a atividade desportiva.

“Quando estamos a jogar tudo é esquecido. Sempre gostei de jogar. Temos uma iniciativa, “Passa a bola, passa o amor”, uma dinâmica que criámos nas escolas, sempre há aquele preconceito de sermos padres, velhos e barrigudos, e assim é uma forma de chegarmos aos mais novos, estarmos num recreio com os miúdos, passar a bola, é passar o amor, chegar aos jovens e às escolas”, desvenda Ivo Coelho.

A organização do torneio, pela voz do padre Marco Cabral, natural de Mangualde, faz um balanço muito positivo.

“Conseguimos cumprir horários, tudo aconteceu como programado. São todos muito fortes”, analisa. Todavia, não esconde a preocupação, pelo futuro. “Está a acontecer no futsal o que aconteceu com os seminários, cada diocese não tinha o número suficiente de alunos para ter o seu próprio seminário, temos o mesmo problema no futsal, nem Lamego nem Guarda conseguem e então juntamo-nos”, realça Marco Cabral.

Ainda não se sabe quem vai ser a próxima diocese a organizar o torneio.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+