Tempo
|

Eis as regras alternativas do Monopólio, edição "Crise na habitação em Portugal"

19 abr, 2023 - 06:30 • Fábio Monteiro

A Renascença convidou quatro representantes políticos - dois à esquerda, dois à direita - para uma partida de Monopólio, num tabuleiro adaptado à realidade do mercado habitacional português e às medidas do pacote “Mais Habitação”. Conheça as regras alternativas para o famoso jogo de tabuleiro.

A+ / A-

Na generalidade, a partida de Monopólio do jogo adaptado pela Renascença obedece às regras tradicionais do jogo tabuleiro: todos os jogadores começam com o mesmo valor em carteira, cada um tem a oportunidade de lançar os dados uma vez por turno.

Existem, contudo, diferenças no tabuleiro, diferenças que refletem a conjuntura portuguesa do mercado habitacional.

Alguns dos edifícios do tabuleiro estão ocupados à partida.

Alguns são propriedades adquiridas por via de vistos gold, uns utilizados para alojamento local; um edifício é habitação pública, outro um edifício devoluto privado.

Além dos jogadores, existe um quinto elemento em jogo: o Estado.

O Estado é gerido por todos, não tem peça no tabuleiro; começa o jogo com o mesmo valor em carteira que cada um dos jogadores. Tem um fundo de maneio que pode ser aplicado em diferentes políticas. E não pode ir à falência. Se isso acontecer, todos os jogadores perdem.

Sempre que algum jogador cai num dos espaços pré-ocupados, tem três opções.

Primeira: pagar o valor devido. No caso da habitação pública, o valor irá para a carteira do Estado.

Segunda: comprar o edifício pelo dobro do valor original. Para isso, outro jogador da mesa tem de dar o consentimento. Ou seja, uma maioria de 50%. Os edifícios de habitação pública não podem ser adquiridos por esta via.

Terceira: determinar que o Estado deve adquirir o edifício. Para isso, mais dois jogadores têm de dar o consentimento. Ou seja, uma maioria de 75%. O valor pago pode ser dividido entre os jogadores ou sair diretamente do fundo de maneio do Estado. O edifício torna-se habitação pública, residência para estudantes ou objeto de arrendamento coercivo. A finalidade é definida e justificada pelos jogadores.

Qualquer jogador pode, durante o seu turno, doar a custo zero uma propriedade ao Estado.

Numa propriedade do Estado, é sempre cobrada a renda mínima. Em caso de falta de fundos do jogador, o Estado não cobra renda; neste caso, o valor em causa é pago pelo Estado diretamente à banca.

Um jogador pode também vender uma propriedade ao Estado; o valor tem de ser debatido e acordado, no mínimo, por três jogadores.

Se no final do tempo de jogo não houver vencedor, ganha o jogador com maior número de propriedades. O Estado pode ganhar o jogo.

(Se quiser jogar com as regras da Renascença, pode utilizar as mesmas peças que nós. Basta as imagens abaixo.)

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+