Tempo
|

Germano de Sousa

"Não é possível aguentar a avalanche" de pedidos de testagem à Covid-19

27 dez, 2021 - 23:05 • João Malheiro

O administrador e fundador do grupo de laboratórios com o seu nome explica que "não há problema a nível de stock, mas há um enorme cansaço" entre os profissionais que realizam os testes. O antigo bastonário da OM teme que os portugueses não estejam a receber as indicações corretas para o uso dos testes antigénio.

A+ / A-
Declarações de Germano de Sousa à Renascença
Declarações de Germano de Sousa à Renascença
Declarações de Germano de Sousa à Renascença

O antigo bastonário da Ordem dos Médicos (OM), Germano de Sousa, diz que "não é possível aguentar a avalanche" de pedidos de testagem à Covid-19 que se tem verificado, em Portugal nas últimas semanas.

Durante o período de contenção, entre 25 de dezembro e 9 de janeiro, a exigência de teste negativo ao novo coronavírus aumentou, o que levou a um aumento considerável da procura por parte dos portugueses.

O administrador e fundador do grupo de laboratórios com o seu nome explica, à Renascença, que "não há problema a nível de stock, mas há um enorme cansaço" entre os profissionais que realizam os testes.

"Já aumentamos a nossa capacidade e é já muito elevada. Chega a uma altura em que temos de conter um pouco a procura, porque não é preciso aguentar esta avalanche autêntica", admite.

Não obstante, Germano de Sousa indica que o seu grupo de laboratórios tem equipas específicas para a Covid-19, o que garante que outras análises "não tenham um único atraso".

Portugueses não estão a usar testes antigénio corretamente

O antigo bastonário da OM acredita que é "muito provável" que a procura caia "um pouco" depois do Ano Novo e, também, no fim do período de contenção.

E explica que "há cada vez mais pessoas que usam testes antigénio", o que contribui para o aumento da procura.

"Quem tenha um teste antigénio positivo quer vir confirmar com um teste PCR", indica.

Germano de Sousa avisa que 10% dos positivos dos testes antigénio são falso positivos, mas "a outra face da moeda, que é pior" é que 30% dos testes antigénio negativos são falsos negativos.

"As pessoas não usam o antigénio apenas quando têm sintomas, que é quando têm boa sensibilidade", alerta.

"Todos os doentes assintomáticos que estão a transmitir o vírus dão negativo no teste antigénio", diz, ainda.

O antigo bastonário da OM teme que este "barulho de fundo torne deficiente a esperança que temos no teste antigénio" e que os portugueses não estão a receber as indicações corretas para o uso desta ferramenta.

"Da forma como está a ser utilizado, pouco ou nada serve", lamenta.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+