Tempo
|
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022

Covid-19

Novas restrições em Portugal? Governo vai antecipar contenção. Europa aperta medidas

20 dez, 2021 - 22:06 • João Malheiro, Susana Madureira Martins

Variante Ómicron tem obrigado a um regresso de medidas de contenção em vários países europeus. Em Portugal, o período de contenção de 2 a 9 de janeiro vai ser alargado e começa já a seguir ao Natal.

A+ / A-

Veja também:


O Governo vai antecipar a entrada em vigor do período de contenção para a semana a seguir ao Natal, sabe a Renascença.

A poucas horas do Conselho de Ministros onde serão anunciadas novas medidas para travar o avanço da pandemia da Covid-19 em Portugal, esta foi a pior segunda-feira, desde fevereiro, a nível de novos casos, e António Costa antecipou o Conselho de Ministros desta semana para terça-feira, por causa de “propostas recebidas pelo grupo de epidemiologista que têm apoiado o executivo. Como são medidas com impacto na vida das pessoas, convém que sejam tomadas com antecedência, tendo em vista tornar possível uma melhor preparação e adaptação”, explicou fonte do executivo.

Esta segunda-feira, à Renascença, o imunologista Miguel Prudêncio, do Instituto de Medicina Molecular, defende o encerramento ou uma forte limitação do acesso a espaços de diversão noturna e a eventos de grande concentração, como jogos de futebol, durante a época das festas.

Na antecâmara do Conselho de Ministros desta terça-feira, viramos o olhar para a Europa, onde, em grande parte, os governos têm dito "sim" a novas restrições e a um retrocesso nas medidas de desconfinamento.

Espanha

O Governo espanhol tinha dito, no início do mês, que aguentaria a nova “investida do vírus” não sendo necessário aplicar medidas mais restritivas no Natal, à semelhança do caso português.

Na sexta-feira, o país passou para o nível de "risco muito elevado de contágio", depois da incidência acumulada de Covid-19 em Espanha ter aumentado para 511 casos por 100.000 habitantes

No entanto, este domingo, numa comunicação ao país, o primeiro-ministro Pedro Sánchez alertou para um “risco real” de uma nova vaga de infeções e anunciou uma reunião de emergência com os presidentes das regiões espanholas, para discutir novas medidas restritivas.

Já esta segunda-feira, a comunidade de Valência anunciou que vai pedir autorização judicial para alargar a necessidade de apresentação de certificado digital a todo o setor da restauração.

Reino Unido

O país está a lidar com uma verdadeira "emergência". É essa a expressão que Boris Johnson usou, ao anunciar o regresso do uso obrigatório da máscara em locais públicos e da recomendação do teletrabalho para travar a nova vaga da pandemia.

O ministro da Saúde, Sajid Javid também não excluiu novas medidas até ao Natal. Encerramento de bares e outros locais de entretenimento não estão forma de questão.

Segundo peritos locais, sem novas medidas, o número de hospitalizações em Inglaterra pode rondar as 3.000 ou 10.000 num só dia, com o número de mortes causadas pela Covid-19 entre os 600 e 6.000.

Alemanha

O governo alemão propôs esta segunda-feira novas restrições para combater a crescente vaga da pandemia.

Segundo a Reuters, ajuntamentos ficam limitados a dez pessoas e só vacinados poderão entrar em locais de restauração.

A Alemanha classificou França e Dinamarca como zonas de infeções de “alto risco” e começou a impor aos viajantes não vacinados procedentes desses países um período de quarentena de 14 dias.

Países Baixos

Os Países Baixos entraram em confinamento no último domingo (dia 19) e durante todo o período do Natal.

As lojas de comércio não essencial, bares e ginásios vão encerrar até meados de janeiro do próximo ano, pelo menos.

Os restaurantes só podem trabalhar em takeaway e os eventos desportivos não terão espectadores nas bancadas.

O primeiro-ministro Mark Rutte disse que as medidas eram "inevitáveis" com a quinta vaga e a variante Ómicron.

Dinamarca

A Dinamarca anunciou esta sexta-feira novas restrições à vida noturna e o encerramento de cinemas, teatros e salas de espetáculos, numa reação ao aumento recorde de novos casos da doença Covid-19 registado no país nórdico.

O país registou um novo recorde histórico de mais de 11.000 casos no final da semana passada, incluindo um novo recorde de mais de 2.500 casos associados à variante Ómicron do novo coronavírus.

O Governo dinamarquês também exigirá o encerramento de outros locais que potenciam aglomerações de pessoas, como parques de diversões, centros de convenções ou mesmo museus.

As férias escolares de Natal foram prolongadas para tentar conter o aumento de casos, com o executivo a prever o regresso às aulas para 05 de janeiro.

A vida noturna, já visada com medidas na semana passada, será ainda mais restritiva, com bares e restaurantes a encerrarem às 23h00, com uma proibição de servir bebidas alcoólicas a partir das 22h00.

França

França também já encerrou discotecas e bares que passem música, até 6 de janeiro.

Desde este sábado que apenas cidadãos franceses e pssoas com razões essenciais para viajar pode entrar no país, a partir do Reino Unido.

Em Paris, as máscaras voltaram a ser obrigatórias em quase todo o lado, incluindo espaços abertos e todos os espaços públicos fechados, mesmo cinemas e restaurantes, onde antes não eram obrigatórios, já que é preciso apresentar também prova de vacinação ou teste.

Portugal ganha em percentagem de população vacinada, mas perde nas doses de reforço

No Twitter, o médico André Peralta Santos, antigo diretor de serviços de Informação e Análise da DGS, comparou o caso português com dois países que adotaram novas medidas: Dinamarca e Reino Unido. Em termos de vacinação, o médico mostrou que, apesar de Portugal estar à frente a nível de percentagem de população inoculada, perde nas doses de reforço.

Já em termos de prevalência da Ómicron, o médico considerou que o Reino Unido e a Dinamarca “estão talvez 3-4 dias adiantados em relação a Portugal”. O especialista alertou que Portugal “muito provavelmente” terá uma explosão de casos “na próxima semana, 20 a 26 Dezembro”.

[notícia atualizada às 23h34]

Saiba Mais
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+