Tempo
|

Tensão Ucrânia/Rússia

Kiev faz apelo dramático. "Invasão deve ser travada antes que seja tarde demais"

24 fev, 2022 - 00:26 • André Rodrigues

Presidente da Ucrânia disse ter tentado telefonar ao homólogo russo, mas sem sucesso. E assegura que "o povo ucraniano quer a paz" para evitar uma "grande guerra no continente europeu".

A+ / A-
Zelenskyi dirige-se aos cidadãos russos e apela à paz “antes que seja tarde demais”
Zelenskyi dirige-se aos cidadãos russos e apela à paz “antes que seja tarde demais”

O Presidente da Ucrânia fez, esta quarta-feira à noite, um apelo dramático à paz.

Num discurso transmitido pela televisão pública ucraniana, Volodymyr Zelenskyi defendeu que uma ação militar russa contra a Ucrânia “deve ser travada antes que seja tarde demais”.

Dirigindo-se aos cidadãos russos, em russo, o chefe de Estado ucraniano defendeu que, mesmo sabendo que o discurso não iria ser transmitido pela televisão russa, o povo merecia saber a verdade sobre a situação vivida no país vizinho.

Numa altura em que, do terreno, chegam cada vez mais sinais que apontam para o eclodir de uma ofensiva de larga escala, Zelenskyi assegura que “o povo ucraniano quer paz" e que “o governo da Ucrânia quer a paz e está a fazer todos os possíveis para construí-la.”

Zelensky fez questão de sublinhar que a Ucrânia não tem razão de queixa em relação à Rússia, mas contesta a imagem que o discurso oficial de Moscovo adota para caracterizar a Ucrânia.

"Dizem que somos nazis”, disse Zelensky, de ascendência judaica. “Pode um povo apoiar os nazis, que deram mais de oito milhões de vidas pela vitória sobre o nazismo? Como posso ser nazi? Digam isso ao meu avô, que passou por toda a guerra na infantaria do exército soviético e morreu como coronel na Ucrânia independente.”

O Presidente ucraniano contrariou, ainda, as alegações de Putin de que a Ucrânia é uma invenção e que, pertence, por direito pleno à Rússia: “os vizinhos enriquecem-se mutuamente e isso não os transforma num todo único. Somos diferentes, mas isso não significa que tenhamos de ser inimigos. Queremos construir o nosso futuro, nós mesmos, de forma pacífica, calma e honesta.”

Numa derradeira tentativa de evitar uma ofensiva, Zelenskyi disse, ainda, que tentou telefonar a Vladimir Putin, mas "o resultado foi o silêncio".

Kiev alega que a Rússia tem cerca de 200 mil tropas junto à fronteira com a Ucrânia, o que, para Volodymyr Zelenskyi significa que, em breve, poderá estar em curso uma “grande guerra no continente europeu”.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+