Visita de Marcelo põe fim a protesto de ativista tetraplégico em gaiola

02 dez, 2018 - 22:12 • Joana Gonçalves

Eduardo Jorge esteve durante dois dias sem comer, em vigília em frente à Assembleia da República. Dizia que só aceitaria ajuda do Presidente da República, primeiro-ministro ou ministro do Trabalho. Na véspera do Dia Internacional da Pessoa com Deficiência, Marcelo apareceu.
A+ / A-
Deitado, numa gaiola, sem comer, ativista tetraplégico protesta em frente à Assembleia da República
Deitado, numa gaiola, sem comer, ativista tetraplégico protesta em frente à Assembleia da República

A noite não foi fácil. No segundo dia de protesto, "o frio e o barulho” impediram Eduardo Jorge de pregar olho. Deitado dentro de uma gaiola em frente à Assembleia da República, o ativista tetraplégico, de 56 anos, luta pela implementação do projeto de Vida Independente.

Foi um acidente de carro, em 1991, que lhe roubou a mobilidade. 27 anos depois, recusa-se a cruzar os braços e exige o direito a um assistente pessoal “que será, no fundo, os nossos braços e as nossas mãos”.

Com 90% de incapacidade, Eduardo desafiou o Presidente da República, o primeiro-ministro e o ministro do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social a cuidarem dele, “para que no terreno verificassem as dificuldades que nós enfrentamos e o trabalho que damos”.

António Costa e Vieira da Silva não responderam ao desafio. O Presidente da República “confundiu o estatuto do cuidador com o projeto Vida Independente”, garantia Eduardo à Renascença na tarde deste domingo.

Horas mais tarde, já de noite, e sem que a agenda do Presidente o fizesse prever, Marcelo Rebelo de Sousa apareceria junto à Assembleia, acompanhado somente da secretária de Estado da Inclusão, Ana Sofia Antunes. Conversou longamente com Eduardo e o ativista abandonaria a jaula e local pouco depois, terminando assim o protesto.

“Eu vi que tinha leis e direitos. Isso transformou-me completamente”

Depois do acidente que o deixou numa cadeira de rodas, frequentou vários centros de reabilitação e regressou a casa, ao fim de um ano, “sem apoio”. Durante vários meses assim permaneceu, sozinho. Desconhecia os seus direitos.

Tudo mudou quando “a internet chegou ao interior”. Eduardo navegou no mundo digital e descobriu que nem só de deveres se faz a legislação. Criou o seu próprio blog, “Nós Tetraplégicos”, e rapidamente começou a partilhar as “descobertas”.

“Hoje eu entendo que a Constituição me defende como defende os outros cidadãos. Eu sou um cidadão de plenos direitos”, explica.

Formado em serviço social, o ativista trabalha no lar onde está institucionalizado. Quer regressar a casa, onde se "sente bem", mas para isso é preciso que o governo avance com o projeto Vida Independente.

“É uma violência psicológica muito grande. Eu não gosto desta exposição. Detesto esta humilhação, tipo um animal de circo. É horrível”, garante.

Não é a primeira vez que protesta. Em 2013 fez uma greve de fome em frente ao Parlamento. Há cinco anos a luta era mesma.

No ano seguinte, 2014, percorreu 180 quilómetros, de Abrantes a Lisboa, na sua cadeira de rodas.

"Antes de me virar para estas formas de protesto radicais, eu já fiz tudo. Já reuni com os grupos parlamentares, já contactei os canais normais. Só que como não há resultados eu opto pela única ferramenta que tenho: o meu corpo e a minha exposição", esclarece.

"Só os deputados Jorge Falcato, do Bloco de Esquerda, e Idália Serrão, do Patido Socialista, é que me contactaram", acrescenta.

O jovem que comoveu Eduardo e a rosa que simboliza esta luta

Eduardo Jorge não está sozinho. Durante a noite de sábado, e ao longo deste domingo, esteve sempre acompanhado por amigos que “lutam pela mesma causa”. “Há muita gente boa que me acompanha. É muito muito interessante”, garante.

Muitos deles enfrentam diariamente os mesmos desafios, outros veem neste ativista, natural de Concavada, em Abrantes, uma resiliência admirável.

Francisco Maio, de 28 anos, veio de propósito para lhe agradecer. Com algum esforço, coloca a mão dentro da gaiola para entregar uma rosa vermelha a Eduardo. Francisco não é capaz de falar, mas o gesto emocionou o homem que protesta há já dois dias.

“Oh Chico, agora emocionou-me”, diz o ativista, que repete agradecimentos. “Não é por nada, é para saber que não está sozinho”, reponde a mãe de Francisco, Rosa.

[Notícia atualizada às 23h15 com a informação de que Marcelo Rebelo de Sousa se encontrou com Eduardo Jorge e o protesto terminou]

Eduardo Jorge segura a rosa que lhe foi entregue por Francisco, jovem de 28 anos, que o quis visitar no Dia Internacional da Pessoa com Deficiência.
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Filipe
    03 dez, 2018 évora 12:59
    Tem razão , pode acontecer a qualquer cidadão de Portugal . Uma vez que o Estado até quer esvazias Hospitais criando internamentos no domicilio , sabido que existe desemprego qualificado em Portugal , está na hora de requalificar ou qualificar massa humana com vista a ter competências para tratamento e acompanhamento de doentes em casas particulares e reverem os apoios no domicilio . Não existem já amas credenciadas para tratar de crianças ? O que estão esperando ? Até no final das contas poupam muito dinheiro ... basta só o custo de uma diária num Hospital para determinar que o apoio domiciliário tem de ser reconhecido oficialmente , não aquele apoio hoje conhecido de entra e sai ... apoio 24 horas em casos extremos .
  • Levid
    02 dez, 2018 Lisboa 22:44
    É caso para dizer "estás encurralado".