Tempo
|

Preço das casas subiu no 2º trimestre de 2022, mas desacelerou em Lisboa

25 out, 2022 - 13:41 • Lusa

Segundo o Instituto Nacional de Estatística, o preço mediano de alojamentos familiares transacionados em Portugal foi de 1.494 euros por metro quadrado, o que corresponde a um crescimento de 2,8% face ao primeiro trimestre do ano.

A+ / A-

O preço mediano da habitação aumentou em todo o país no segundo trimestre deste ano, revelou hoje o Instituto Nacional de Estatística (INE), destacando uma tendência para desaceleração dos preços em Lisboa e, em contrapartida, uma aceleração no Porto.

Segundo o INE, entre abril e junho de 2022 o preço mediano da habitação aumentou, face ao período homólogo, em todas as 25 sub-regiões NUTS III.

O preço mediano de alojamentos familiares transacionados em Portugal foi 1.494 euros por metro quadrado (€/m2), correspondendo a um crescimento de 2,8% face ao primeiro trimestre de 2022 e de 17,8% relativamente ao período homólogo (segundo trimestre de 2021).

O Algarve foi a região que apresentou neste período os preços mais elevados (2.358 €/m2) e, em simultâneo, uma taxa de variação homóloga (+23,8%) superior à mediana do país.

Também a Área Metropolitana de Lisboa (2.076 €/m2), a Área Metropolitana do Porto (1.576 €/m2) e a Região Autónoma da Madeira (1.534 €/m2) registaram preços medianos superiores ao país, apresentando, contudo, crescimentos homólogos (+16,5%, +17,5% e +5,8%) inferiores à referência nacional, acrescentou o INE.

O Alto Alentejo manteve-se com o menor preço mediano de venda de alojamentos familiares (500 €/m2).

Na análise por distritos, os dados permitem perceber que os preços desaceleraram em sete dos 24 municípios com mais de 100 mil habitantes, com destaque para Lisboa, que registou -6,1 pontos percentuais (p.p.).

Em sentido oposto, a taxa de variação homóloga aumentou em seis dos 11 municípios com mais de 100 mil habitantes da Área Metropolitana de Lisboa, principalmente em Loures (+8,8 p.p.).

Na Área Metropolitana do Porto, a taxa de variação homóloga aumentou em quatro dos seis municípios com mais de 100 mil habitantes, com destaque para o Porto (+9,2 p.p.) e Matosinhos (+5,3 p.p.).

Estes valores publicados pelo INE referem-se à mediana (valor que separa em duas partes iguais o conjunto ordenado de preços por metro quadrado) dos preços de alojamentos familiares (€/m2) transacionados no período em causa, com base em variáveis estatísticas enviadas ao instituto de estatística pela Autoridade Tributária com base no Imposto Municipal por Transmissões onerosas (IMT), nomeadamente, a identificação dos compradores segundo o seu setor institucional e domicílio fiscal.

Saiba Mais
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Clarificar Termos
    26 out, 2022 Essa Bela Localidade 06:54
    Seria muito importante clarificar a comunicação, eclarecendo o termo "desacelerar". O que significa realmente? Pode passar ideias erradas, por exemplo, de que não crescem, Crescer a um ritmo crescente, é exponencial. Crescer a um ritmo constante (seja este ritmo alto ou muito baixo) pode em si mesmo representar uma perda de poder de compra, desde que os salários não acompanhem esse ritmo. E mesmo se o crescimento de preços ocorrer a um ritmo decrescente, pode ser ainda assim maior do que o dos salários.

Destaques V+