Tempo
|
A+ / A-

FC Porto

Alcaide denuncia Conceição por "lesões e ameaças" e diz que foi ameaçado por adeptos do Porto

02 abr, 2024 - 14:52 • Inês Braga Sampaio

Manuel Barroso mantém versão e critica FC Porto por ter emitido um comunicado em defesa do treinador "antes de se informar", o que terá levado a reação nas redes sociais.

A+ / A-

O autarca espanhol que acusou Sérgio Conceição de várias agressões num torneio jovem mantém a versão e revela, esta terça-feira, que vai denunciar o treinador do FC Porto e o filho Moisés por vários delitos, como "lesões", "ameaças" e "atentado à autoridade", entre outros.

Em conferência de imprensa, Manuel Barroso, alcaide de Cartaya, também critica o FC Porto por ter emitido um comunicado a defender o treinador "antes de se informar" e alega que, depois disso, recebeu ameaças de morte nas redes sociais, por parte de adeptos portistas.

"Tomámos a decisão de denunciar tanto o Sérgio, como o seu filho [Moisés Conceição]. Vamos levar a cabo a seguinte denúncia, por presumível delito de lesões à máxima autoridade do povo, delito de atentado contra a autoridade, delito de ameaças, delito de alteração da ordem pública. Também a polícia vai tramitar um expediente administrativo por alteração da ordem pública e instámos ao organismo correspondente a aplicar a lei do desporto da Andaluzia", declara.

Em causa estão os distúrbios ocorridos na final de sub-9 Gañafotes Cup, em Huelva, na Andaluzia, que o FC Porto perdeu para o Sevilha. No dia 25 de março, Manuel Barroso acusou Sérgio Conceição de o agredir, assim como a um árbitro e a um par de agentes da Guarda Civil.

O autarca também afirma que "é muito triste" que o FC Porto tenha emitido, na altura em que surgiram as acusações, um comunicado contra si e em defesa de Sérgio Conceição "sem se informar antes".

"Por causa deste comunicado do Porto, muitíssimos simpatizantes e adeptos do Porto ameaçaram de morte, nas redes sociais, este alcaide [o próprio Manuel Barroso], os seus filhos e familiares, com comentários desrespeitosos que também já estão nas mãos da justiça", queixa-se.

Manuel Barroso não só mantém a sua versão inicial do sucedido, como conta mais detalhes da altercação com Sérgio Conceição.

"A única coisa que faço é aproximar-me dele, porque era evidente que tinha a intenção de agredir o árbitro. Quando chego, aquele homem identifica-se como a máxima autoridade portuguesa. E eu, como não sabia quem era, disse-lhe automaticamente que até podia ser a máxima autoridade em Portugal, mas aqui não é ninguém para invadir o campo e muito menos para tentar agredir o árbitro do jogo", relata.

O autarca sublinha que "vai defender pela segurança do seu povo, seja contra quem for"e que não está "a atentar contra Sérgio porque é Sérgio".

"Estamos a atentar contra uma pessoa que não cumpre a lei, que faltou ao respeito a muita gente, que não atendia à razão quando se lhe chamou à ordem e que se pode dar por contente por não o termos detido nas imediações do campo", frisa Manuel Barroso.

O alcalde de Cartaya garante, ainda, que "nunca" foi agressivo e que só se dirigiu a Conceição e ao filho para defender o árbitro: "Não posso ficar de braços cruzados quando uma pessoa invade o campo e tenta agredir um árbitro que não tem culpa que duas pessoas não saibam comportar-se."

"Vamos aos tribunais e vamos demonstrar que este alcaide não mente e vai defender-se com quem tenha de se defender, sobretudo, pelo interesse do seu povo", termina Manuel Barroso, na declaração aos jornalistas.

Numa nota enviada à Renascença no dia em que a notícia dos distúrbios na Gafañotes Cup veio à Luz, Pedro Henriques, advogado do treinador do FC Porto, repudiou as acusações. Além de argumentar que tinha sido o autarca a agredir Moisés Conceição e que tinha sido Sérgio a "tentar separar a confusão", e deu conta da apresentação de queixa-crime contra Barroso por tentativa de agressão e denúncia caluniosa.

Também em declarações a Bola Branca, Manuel Barroso manteve a sua versão dos factos, exigiu pedido de desculpas e frisou: "Se o senhor Conceição quer continuar com este circo, vamos até ao fim."

Em comunicado - aquele de que o alcalde se queixa - , o FC Porto manifestou solidariedade para com o treinador, perante o que classificou como "notícias falsas" e uma "tentativa de assassinato de caráter".

No dia seguinte, em declarações aos jornalistas, no Olival, Sérgio Conceição confessou-se "muito triste" com as acusações declarou que está disposto a deixar o futebol para provar que não agrediu ninguém.

"Os meus advogados estão em Espanha, para tratar desta situação e fazer aquilo que têm a fazer. Se for preciso eu meter uma pausa no futebol, deixar o futebol para provar tudo aquilo que eu estou a dizer, eu deixo, porque a minha honra e aquilo que eu sou como homem e como pai é muito mais importante que qualquer carreira desportiva", disse.

O presidente do Conselho Diretivo do Instituto Português do Desporto e Juventude, Vítor Pataco, disse no mesmo dia, à Renascença, que "todos os agentes desportivos com exposição mediática", como Sérgio Conceição, são pessoas com "uma obrigação acrescida de serem exemplos".

Saiba Mais
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+