Emissão Renascença | Ouvir Online
A+ / A-

FC Porto

FC Porto: as contas positivas, os capitais próprios negativos e a "arma de arremesso"

19 fev, 2024 - 12:35 • Redação com lusa

O clube apresentou esta segunda-feira as contas do primeiro semestre de 2023/24. "Não há aqui contabilidade criativa nem antecipação de receitas"

A+ / A-

A FC Porto SAD registou um resultado líquido positivo de 35 milhões de euros (ME) no primeiro semestre de 2023/24, contra um prejuízo de 9,891 ME em igual período de 2022/23, comunicaram os vice-campeões nacionais de futebol. Os capitais próprios mantêm-se em terreno negativo.

Consoante o relatório e contas consolidado enviado à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM), os proveitos operacionais, excluindo passes de jogadores, foram de 108 ME, numa subida de quase cinco ME, que teve incidência das receitas das provas da UEFA, apesar de ainda não refletir a progressão na atual edição da Liga dos Campeões.

"Estas contas assumem uma particular importância em relação aos anos anteriores, porque têm sido alvo de comentários, até porque a situação financeira tem servido de arma de arremesso para descredibilizar esta administração", referiu na apresentação das contas Fernando Gomes, administrador da área financeira.

"Não há aqui contabilidade criativa nem antecipação de receitas. Tudo o que foi dito é uma falácia e feita por falta de conhecimento e não faz nenhum sentido. Este resultado não inclui aqui 9,6 milhões de euros relativos ao prémio de acesso aos oitavos de final da Liga dos Campeões, que só pode ser contabilizado a partir de janeiro", acrescentou.

Já o documento indica que o resultado "não inclui ainda os 9,6 ME relativos ao prémio de acesso aos oitavos de final da Champions, assegurado em dezembro último, uma vez que, dando cumprimento às normas internacionais de contabilidade, esta verba só vai ser contabilizada no terceiro trimestre deste exercício”. O FC Porto recebe o Arsenal na quarta-feira, num jogo a contar para a primeira mão dos oitavos da Champions.

Já os custos operacionais, excetuando com passes, caíram aproximadamente seis ME, devido ao decréscimo das despesas com pessoal, que, há um ano, tinham incluído um prémio de qualificação para a Liga dos Campeões na qualidade de campeões nacionais.

Os resultados operacionais cifraram-se em 52 ME, bem acima dos 1,430 ME obtidos na primeira metade de 2022/23, tendo como fator influente a transferência do internacional português Otávio, que se tornou a venda mais elevada da história da SAD em agosto de 2023, ao rumar aos sauditas do Al Nassr pelos 60 ME inerentes à cláusula de rescisão.

Estimados em 39 ME, os resultados da cedência de passes de futebolistas ajudaram a administração comandada por Jorge Nuno Pinto da Costa a melhorar o resultado líquido consolidado negativo de 47,627 ME patente nas contas globais da temporada passada.

Capitais próprios "praticamente positivos"

Em 31 de dezembro de 2023, o ativo da FC Porto SAD cresceu para 504 ME, face aos 356,292 ME contabilizados em 30 de junho, e o passivo baixou de 532,272 ME para 513 ME, com os capitais próprios negativos a baixarem de 175,980 ME para quase 8,5 ME.

“Foi exatamente o que eu disse, que íamos apresentar resultados positivos e que os capitais próprios estariam positivos ou perto disso”, disse Jorge Nuno Pinto da Costa, o presidente do clube, na ressaca da apresentação das contas. “Confirmaram-se os resultados positivos e os capitais próprios estão praticamente positivos porque temos a garantia de, nos próximos meses, ainda dentro deste mandato, que ficarão positivos com a entrada de 60 a 70 milhões de euros do negócio que foi feito.”

O negócio em causa, antes referido por Fernando Gomes, foi assim explicado no documento apresentado esta segunda-feira: “A Futebol Clube do Porto – Futebol, SAD acordou com uma reputada empresa internacional, com reconhecida experiência na otimização das receitas comerciais relacionadas com grandes equipamentos desportivos, uma parceria que será consubstanciada na participação minoritária numa das empresas com os direitos comerciais do Grupo FC Porto e num investimento inicial com vista a modernizar o Estádio do Dragão, potenciando assim as receitas com ele relacionadas".

E aquela instituição acrescenta: "Do acordo estabelecido, resultará ainda a participação financeira de um montante estimado entre os 60 e 70 milhões de euros, a realizar no 4º trimestre deste exercício, que impactará diretamente nos capitais próprios da Futebol Clube do Porto – Futebol, SAD".

O FC Porto está no terceiro lugar da I Liga, com 48 pontos, sete abaixo do líder isolado Benfica, e discutirá o acesso às "meias" da Taça de Portugal com o Santa Clara, primeiro da II Liga, por entre a eliminatória frente ao Arsenal para a Liga dos Campeões, à qual chegou como vice-líder do Grupo H, perdendo no confronto direto com o FC Barcelona.

Afastados na primeira fase da Taça da Liga, os "dragões" tinham começado a época com uma derrota na Supertaça Cândido de Oliveira frente aos encarnados (2-0), em Aveiro.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+