Emissão Renascença | Ouvir Online
A+ / A-

FC Porto

Sérgio Conceição: "Ainda jogamos pouquinho"

14 set, 2023 - 13:28 • Redação

Após 37 dias de silêncio, o treinador do FC Porto reconhece que "mudaria alguns comportamentos", mas considera que a "vida de luta" "atenua uma ou outra situação" e também critica o VAR.

A+ / A-

Sérgio Conceição admite que o FC Porto ainda tem muito a melhorar, neste arranque de época, e espera ver o trabalho feito durante a pausa para as seleções refletido já frente ao Estrela da Amadora, no sábado.

Na conferência de imprensa de antevisão da partida da quinta jornada da I Liga, esta quinta-feira, o treinador começa por referir que já sentia "alguma nostalgia", depois de 37 dias em silêncio, por castigo, devido à expulsão na Supertaça. Sobre o jogo com o Estrela, Sérgio admite que a sua equipa tem, "obrigatoriamente, de melhorar em alguns aspetos".

"Temos entrado mal nos jogos e jogámos ainda pouquinho, na minha opinião", reconhece. Nesse sentido, perder apenas cinco internacionais na pausa "foi bom para trabalhar", especialmente o aspeto defensivo:

"Somos capazes de mais e melhor do que temos feito até agora. Uma das coisas que trabalhámos foi a organização defensiva. A base para se ganhar é não sofrer golos, é que garante pelo menos um ponto."

Sérgio admite arrependimento


Pela primeira vez neste campeonato, o FC Porto conta com Sérgio Conceição no banco de suplentes. O técnico diz que a expulsão "já passou", mas não deixa de explicar o que aconteceu na Supertaça.

"Houve uma situação de uma possível não falta que pelos vistos foi falta para o árbitro. A expulsão foi feita a 20 ou 30 metros, eu não sabia para quem era a expulsão e depois tive conhecimento, porque me foi explicado que a expulsão era para mim", conta muito resumidamente.

Apesar da explicação curta, Sérgio Conceição admite que tem atitudes das quais, mais tarde, se arrepende: "Eu digo aquilo que sinto, senão prefiro não dizer. Sou genuíno. Olhando para aquilo que eu fiz na altura, olhando de forma fria, obviamente que mudaria alguns comportamentos. Mas naquele momento fui o que fui, amanhã serei o que serei."

O treinador do FC Porto lembra que teve uma vida "de luta" e, embora não descarte que outros treinadores tenham passado por dificuldades - e admita que ninguém gosta de perder -, frisa que "há uns que sentem de forma diferente e que têm um caráter diferente".

"Depois vamos ver se está certo ou se está errado, muitas das coisas estão erradas, ok, muito bem, mas qual foi o meu percurso, qual foi o meu trajeto de vida? Isso justifica tudo? Obviamente que não. Pode aqui ou acolá atenuar uma ou outra situação? Sim. Há coisas a melhorar? Há. Eu como pessoa e como treinador aprendo e evoluo todos os dias e, neste processo, como pessoa completamente apaixonado pela vida, procuro ser melhor hoje do que fui ontem e melhor amanhã do que sou hoje. Essa evolução faz parte da vida e aceito-a de bom grado", sublinha.

"Custa compreender erros do VAR"


Sérgio Conceição fala, ainda, de arbitragem. Um tema sobre o qual diz não poder falar muito porque, segundo a sua versão, uma vez foi castigado porque "disse que fosse preciso o árbitro tinha de dar dez minutos de descontos e por acaso ele deu dez minutos".

"O árbitro tem um trabalho difícil. Custa mais a compreender os erros cometidos no VAR, porque já não há a pressão do jogo e dos jogadores, e está-se confortavelmente sentado e tem-se toda a tranquilidade para tomar boas decisões. Espero que isso passe, porque dá uma imagem que não é boa para o futebol português", assinala.

Em relação, precisamente, aos tempos de descontos de mais de dez minutos a que se tem assistido no arranque do campeonato, Conceição mostra-se a favor: "É justo, é o que toda a gente andava a pedir."

"Mas há uma situação engraçada: a nossa [FC Porto] média de tempo de jogo são cento e pouco minutos, que é das mais altas, mas de tempo útil somos a pior equipa. Isto quer dizer alguma coisa, deduzo eu. Não estou a dizer que as equipas fazem antijogo contra nós. Nos nossos jogos tudo aquilo que queremos, que é ritmo alto, intensidade e velocidade de jogo, é difícil. Se há 10, 15, 20 minutos de compensação, temos de perceber dessa compensação quantos minutos é que são efetivamente jogados", diz.

Estrela é adversário complicado


Sobre o jogo, a Reboleira "é um campo difícil" e o Estrela é "muito competente", com um treinador, Sérgio Vieira, que "tem feito um excelente trabalho" desde que pegou na equipa ainda na II Liga.

"O Estrela vai estar com certeza motivado por jogar contra um candidato ao título. Nós sabemos que normalmente as equipas tendem a subir ainda mais o nível e temos de estar preparados para isso. Chegar com as características habituais da minha equipa e ganhar o jogo com maior ou menor dificuldade", salienta Sérgio Conceição.

O FC Porto desloca-se ao terreno do Estrela da Amadora no sábado, às 19h15, a contar para a jornada 5 da I Liga. Jogo com relato online, em direto da Reboleira, e acompanhamento ao minuto na Renascença.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+