Tempo
|
A+ / A-

EUA

Ginastas indemnizadas em 337 milhões de euros por abusos de Larry Nassar

14 dez, 2021 - 11:02 • Lusa

Federação e Comité Olímpico e Paralímpico dos EUA terão de indemnizar as mais de 330 ginastas, entre elas Simone Biles, que sofreram abusos sexuais do antigo médico da seleção.

A+ / A-

Centenas de ginastas que sofreram abusos sexuais de Larry Nassar, antigo médico da seleção norte-americana, chegaram, na segunda-feira, a um acordo judicial compensatório de 337 milhões de euros com a Federação e o Comité Olímpico dos Estados Unidos.

Depois de três anos de litígio, as ginastas, entre as quais Simone Biles, McKayla Maroney e Aly Raisman, conheceram a sentença de um tribunal de Indiana, que estipula um montante recorde para compensar as centenas de vítimas.

As seguradoras da Federação e do Comité Olímpico e Paralímpico vão suportar a maior parte dos 380 milhões de dólares (337 milhões de euros). Contudo, a segunda entidade aceitou pagar 34 milhões de dólares (30 milhões de euros) e vai fazer um empréstimo de seis milhões de dólares (5,3 milhões de euros) à Federação.

"Agora, pode começar o trabalho duro de reforma e reconstrução. Se há ou não justiça, e se leva a uma mudança, depende do que aconteça depois", lançou uma das vítimas dos abusos, Rachael Denhollander, no Twitter, acrescentando que, com este acordo, se fecha este “capítulo”.

Nassar, que abusou de mais de 330 jovens, foi condenado há cerca de quatro anos a cumprir pena de prisão entre 40 e 175 anos, a que se soma outra de 60 anos por pornografia infantil, o que significa na prática uma prisão perpétua.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+