Tempo
|
A+ / A-

Europeu

Jorge Silva, o veterano da seleção de hóquei que procura o primeiro título europeu

11 nov, 2021 - 09:30 • Eduardo Soares da Silva

O avançado da Oliveirense de 37 anos não esteve na conquista de 2016 e assume o favoritismo da seleção nacional, por jogar em casa e por entrar em campo como campeã mundial.

A+ / A-

Jorge Silva é o mais velho dos dez jogadores convocados pela seleção nacional de hóquei em patins para o Europeu, disputado em Paredes na próxima semana. O avançado da Oliveirense é campeão do mundo em título, mas não esteve no Europeu em 2016.

Em declarações à imprensa em Paredes, o atleta de 37 anos não esconde que o objetivo é conquistar o troféu e continuar na "senda de vitórias", depois do Mundial conquistado em 2019.

"É mais um Europeu, este em casa, já é o meu segundo aqui em Paredes e queremos mudar o de 2012, que foi desagradável por não ganharmos o título. Só temos um objetivo, que é estar na final no sábado. Este grupo vem da vitória no Mundial e quer continuar na senda das vitórias. Estamos a trabalhar, estamos confiantes, e sabemos que esta cidade e Portugal vão encher este pavilhão e vamos ter a confiança necessária para trazer a vitória", disse.

O avançado da Oliveirense não esteve no Europeu de 2016 e procura o seu primeiro título. O palmarés individual é vasto: venceu um Mundial, três Taças das Nações, vários europeus na formação e 23 troféus em Portugal, mas falta-lhe um Europeu no escalão principal. Em 94 internacionalizações, Jorge Silva marcou 140 golos pela seleção portuguesa.

"Sou o mais experiente pela idade, mas este grupo é dos mais experientes que pode existir. Sem pressão não vencemos, precisamos dela para estarmos atentos e para estarmos ainda mais preparados", atira.

Portugal assume favoritismo

Jorge Silva não tem problemas em assumir que Portugal é favorito, por jogar em casa e por entrar em campo como campeões mundiais.

"Não temos problemas em considerar-nos favoritos. Somos tão favoritos como a Espanha, Itália e França. Mas temos a capacidade de perceber que jogamos em Portugal, temos a condicionante de ser campeões do mundo e o grupo está preparado para as responsabilidade e não temos problemas de arcar com isso nas costas. Se perguntar a 99% das pessoas dizem que Portugal e Espanha são os favoritos. O que nos interessa é que Portugal esteja lá na final", diz.

Apesar de Portugal tem muitas estrelas mundiais da modalidade na seleção, Jorge Silva recorda que foi a força do coletivo que foi decisivo na conquista do Mundial, em 2019.

"É um grupo muito forte, somos uma família. Desde o Mundial em Barcelona que mostramos isso. Tivemos dificuldades, mas todos se uniram e passamos por cima das dificuldades. Aqui em Paredes vai ser igual, uma equipa muito combativa com as estrelas mundiais que Portugal tem. Os egos e as estrelas passam para segundo plano. Foi o grupo que ganhou o Mundial", atira.

Portugal arranca a participação no Europeu, disputado no Multiusos de Paredes, na próxima segunda-feira, frente à Alemanha.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Petervlg
    11 nov, 2021 Trofa 13:49
    Não entendo como o Jorge está na seleção, foi um bom jogador, neste momento existe no campeonato nacional, jogadores com mais qualidades. Se o querem premiar com esta chamada a seleção, tudo bem, mas não merece estar neste grupo.

Destaques V+