Tempo
|
A+ / A-

FIFA autoriza Conselho de Arbitragem a explicar decisões do VAR em tempo real

18 jan, 2024 - 16:58 • Lusa

Este sistema já existe noutras modalidades, como o râguebi, e já foi testado pela FIFA em competições como o Mundial feminino de 2023.

A+ / A-

O Conselho de Arbitragem (CA) da Federação Portuguesa de Futebol (FPF) recebeu autorização para explicar em tempo real decisões do árbitro com recurso ao videoárbitro (VAR), disse esta quinta-feira à Lusa fonte ligada ao processo.

Segundo a mesma fonte, a autorização da FIFA e do International Board (IFAB) vai permitir que um árbitro possa explicar no estádio, em tempo real, uma decisão factual que tenha tomado, através de um sistema sonoro, como por exemplo o caso de um lance de falta dentro ou fora da área, ou um fora de jogo.

Este sistema já existe noutras modalidades, como o râguebi, e já foi testado pela FIFA em competições como o Mundial feminino de 2023.

A autorização da FIFA e do IFAB permite que Portugal seja um dos pioneiros a avançar para uma fase de testes a este sistema, não sendo ainda certo quando é que se vai iniciar.

Desde setembro de 2023, as comunicações entre árbitros e videoárbitros (VAR) dos jogos da I Liga portuguesa de futebol passaram a ser feitas através de um programa televisivo mensal.

Antes, em 24 de julho, o CA da FPF tinha defendido a divulgação das comunicações para "um objetivo pedagógico, na linha do que sempre considerou ser a prática adequada", anunciando, então, que: "Na época que agora se inicia, o CA divulgará, uma vez por mês, os áudios das conversas entre árbitros de campo e VAR em todos os lances avaliados no ecrã disponível no relvado".

"O CA é da opinião que a divulgação de áudios auxilia a total compreensão da função de arbitrar", defendeu o órgão liderado por José Fontela Gomes.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+