Tempo
|
A+ / A-

Taça de Portugal

Jogadores do Caldas acreditam que podem tombar o Benfica

13 out, 2022 - 09:48 • Lusa

Clube da Liga 3 recebe o líder do campeonato no sábado, às 20h45, a contar para a terceira eliminatória da Taça de Portugal.

A+ / A-

Os jogadores do Caldas, equipa da Liga 3 que recebe no sábado o Benfica para a Taça de Portugal, acreditam em causar surpresa, apesar do favoritismo do adversário.

“É um dos pontos mais altos da história do Caldas, e da minha carreira, e acredito que temos uma palavra a dizer na eliminatória”, afirmou o capitão Thomas Militão em declarações à Lusa, acrescentando que vai ser “um jogo muito especial” por se tratar de um dos “grandes clubes portugueses” e por se disputar no Campo da Mata.

O experiente defesa, que apenas representou o Caldas na carreira, destaca que o clube já merecia um “dia destes”, reiterando que na Mata Encantada – como é apelidada a casa do clube – “tudo pode mesmo acontecer”.

“Costumo dizer que o Campo da Mata está destinado a grandes feitos e acredito que possa ser possível acontecer mais um no próximo sábado”, atirou, recordando o percurso do clube na Taça de Portugal, em 2017/18, e acrescentando que, em conversa com os colegas, pediu que aproveitassem todos os momentos "ao máximo”: no “mar de gente” que deverão ter à sua espera na chegada ao estádio, assim como o apoio “extraordinário” durante e após o jogo.

A motivação para a receção aos encarnados, refere, já é por si só “mais do que suficiente”, mas o futebolista, de 30 anos, recorda também a caminhada do emblema caldense na Taça de Portugal em 2017/18 – da qual fez parte e que culminou nas meias-finais – para apelar aos colegas de equipa e aos adeptos para que “acreditem” que o clube pode voltar a fazer história na "prova rainha".

“Sabemos das dificuldades e das hipóteses que temos de passar a eliminatória, que são muito curtas, mas não nos vamos acanhar e vamos tentar fazer o nosso jogo, aproveitando o fator casa”, analisou, frisando que “é na Mata Encantada que se escrevem as histórias mais bonitas”.

O jogo vai ter um simbolismo também muito especial para o defesa João Silva e para o avançado Marcelo Marquês, únicos jogadores do plantel comandado por José Vala que já alinharam pelo Benfica, ambos nos escalões de escolas e infantis.

Os futebolistas, autores dos golos que permitiram ao Caldas eliminar o Sporting da Covilhã, por 3-0, na fase anterior da competição, também se mostraram confiantes de que o Caldas tem uma “palavra a dizer” na terceira eliminatória eliminatória.

“A pressão está do lado do Benfica, mas nós também temos as nossas hipóteses”, afiançou Marcelo Marquês, notando que este jogo terá “particular emoção” por ter representado o Benfica durante três anos da sua formação.

Ainda assim, evidencia, o foco está em ajudar o segundo classificado da Série B do terceiro escalão, a conseguir uma boa exibição diante do Benfica, e, “se possível”, com golos.

“Caso aconteça não será o Marcelo Marquês ou qualquer outro jogador a marcar, será sim uma cidade inteira”, sublinha o jovem avançado, de 24 anos, afirmando que, se for um dos escolhidos para entrar em campo, tudo fará para “aproveitar as oportunidades que tiver”.

A atravessar um início de temporada em grande plano, também João Silva acredita que o Caldas pode “fazer nova gracinha” na competição.

O defesa, de 24 anos, aponta o “fator casa” como um dos "ingredientes" que pode levar a equipa à vitória, destacando a “qualidade do plantel” para tentar contrariar o “favoritismo” 'encarnado'.

O jogador, que passou pela formação do Benfica, considera que será “o jogo de uma vida” e diz que sente já algum “nervosismo” para o embate de sábado, que será ainda mais especial por já ter jogado de águia ao peito.

No entanto, João Silva coloca a pressão do lado do conjunto orientado por Roger Schmidt.

“Enquanto houver esperança vamos lutar com todas as nossas armas para discutir a eliminatória”, sublinhou, reiterando que tudo vão fazer para “honrar e dignificar a história do Caldas”.

O último compromisso oficial do Benfica no Campo da Mata foi há 61 anos, quando as águias venceram o Caldas, por 5-3, a 26 de novembro de 1961, na primeira mão da primeira eliminatória da Taça de Portugal.

A única vitória do Caldas sobre o Benfica, contudo, data de 12 de janeiro de 1958, tendo os caldenses, liderados pelo técnico húngaro János Hrotkó, vencido por 3-2, com golos de João Resende, Janita e beneficiando ainda de um autogolo do guarda-redes encarnado José Bastos.

A Mata Encantada – como lhe chamam jogadores, dirigentes e adeptos caldenses – é, segundo os mesmos, o local onde “todos os sonhos podem tornar-se realidade” e onde se acredita em novo triunfo histórico.

O Caldas-Benfica está marcado para sábado, às 20h45, e terá relato em direto na Renascença e acompanhamento ao minuto em rr.sapo.pt.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+