Tempo
|
A+ / A-

Presidente da Câmara do Porto defende jogos em sinal aberto

25 mai, 2020 - 18:52 • Redação

Rui Moreira concorda com a posição de Pedro Proença, admite que adeptos vão querer ver jogos com companhia e afirma que decisão não prejudicaria operadores, nem clubes.

A+ / A-

Veja também:


Rui Moreira, presidente da Câmara Municipal do Porto, compreende que os jogos da I Liga de futebol poderiam ser transmitidos em sinal aberto, concordando com a posição de Pedro Proença, presidente da Liga, mas que choca com a vontade dos clubes.

"Os adeptos não estando no estádio, temos de ter a certeza que vão querer ver os jogos, e na companhia dos outros. Interpretei a vontade da Liga de fazer com que os jogos fossem transmitidos em sinal aberto", afirma, em declarações aos jornalistas, transmitido pela SportTV.

O autarca explica que "em nada prejudicaria os operadores, que venderiam os jogos aos operadores em sinal aberto, e muito menos os clubes, que receberiam dos operadores", afirma.

Rui Moreira diz que "acompanha a preocupação do presidente da Liga" e recorda que "temos de ter cuidado para que o futebol não reacenda o problema da pandemia".

"Ainda bem que estamos a desconfinar e ainda bem que vai ser possível realizar jogos da I Liga, pelo interesse desportivo, pelos adeptos, e naturalmente pelos clubes e pela economia envolvida. É muito importante também para a cidade do Porto, que temos duas equipas a competir, Boavista e FC Porto", termina.

Pedro Proença tem sido alvo de duras críticas por ter sugerido ao governo e ao Presidente da República para que os jogos fossem em sinal aberto. Os clubes não concordam e a decisão poderá levar à saída de Proença da direção dos clubes. A 9 de junho, será realizada uma Assembleia Geral dos clubes para discutir o futuro da direção.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+