A+ / A-

Entrevista Bola Branca

Cabo Verde lamenta pressão do Portimonense para que Hélio Varela falhasse o CAN

12 jan, 2024 - 12:45 • Luís Aresta

Presidente da Federação acusa direção e treinador do Portimonense de mesquinhez, aponta aos oitavos de final do CAN e destaca importância de quatro países PALOP na prova, num "continente dominado no futebol pela francofonia e anglofonia".

A+ / A-

Mário Semedo, presidente da Federação de Cabo Verde, lamenta que a direção e treinador do Portimonense tenham pressionado Hélio Varela a falhar o Campeonato das Nações Africanas (CAN).

O avançado de 21 anos, figura dos algarvios esta época, anunciou a decisão no início de janeiro depois de se ter juntado ao estágio da seleção em Tróia. Entretanto, já voltou a jogar pelo Portimonense, a 7 de janeiro, contra o Rio Ave.

Em entrevista à Renascença, o dirigente lamenta a "atitude mesquinha" do clube algarvio.

"Do nosso ponto de vista, houve uma atitude mesquinha do clube e treinador. Fizeram uma pressão enorme para não vir à seleção. É um palco muito interessante, o Hélio poderia tirar muitas vantagens", diz.

Bruno Varela tomou decisão semelhante, que justificou com "questões éticas e morais", tendo em conta que "não tinha participado em nenhum estágio de qualificação para o CAN". Mário Semedo compreendeu e respeitou a decisão.

"Respeitamos a decisão do Bruno Varela, foi sincero e apresentou os seus fundamentos. Esperamos que tenhamos mais oportunidades para estar connosco. Continuamos a contar com ele, que não nos cortou essa possibilidade", explica.

Afirmação lusófona "importante"

Cabo Verde estreia-se no CAN no domingo contra o Gana. Defrontará ainda o Egito e Moçambique. A expectativa é chegar aos oitavos de final.

"Queremos fazer uma boa prova, que para nós seria qualificar para a fase seguinte. Depois, ir disputando os jogos e tentar fazer a melhor posição possível. O primeiro objetivo é passar os grupos", aponta.

É a primeira vez na história que há quatro seleções dos Países Africanos de Língua Oficial Portuguesa (PALOP) na prova. Mário Semedo fala num importante momento de afirmação lusófona.

"É muito interessante, servirá para a confirmação do desenvolvimento do futebol lusófono. O futebol africano tem sido dominado pelos francófonos e anglófonos. A presença em massa da lusofonia é muito importante", diz.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+