Tempo
|
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
A+ / A-

Mundial 2022

Jogadores da Alemanha tapam a boca em protesto com FIFA e Qatar

23 nov, 2022 - 13:05 • Eduardo Soares da Silva

"Proibir a braçadeira é como calar as nossas bocas", diz a Federação. Manuel Neuer ia utilizar a braçadeira arco-íris e aceitar o cartão amarelo de castigo, mas à última hora surgiu no relvado sem a braçadeira.

A+ / A-
Foto: Reuters
Foto: Reuters
Nancy Faeser, ministra do Interior alemã, no Qatar com a braçadeira. Foto: Reuters
Nancy Faeser, ministra do Interior alemã, no Qatar com a braçadeira. Foto: Reuters

Os jogadores da seleção da Alemanha taparam a boca durante a fotografia de grupo antes do início do jogo frente ao Japão, no Mundial 2022, no Qatar, em protesto com a decisão da FIFA de proibir os capitães de utilizar uma braçadeira pela igualdade.

A seleção alemã era uma das que pretendia utilizar a braçadeira "One Love" ("um amor"), uma mensagem de apoio para a comunidade LGBTQ+, mas foram proibidos pela FIFA, que ameaçou sanções aos jogadores, como cartão amarelo e possíveis suspensões.

"Com a nossa braçadeira de capitão quisemos dar o exemplo pelos valores que vivemos na seleção: a diversidade e o respeito mútuo. Não se trata de uma mensagem política: os direitos humanos não são negociáveis. É por isso que esta mensagem é tão importante para nós. Proibir a braçadeira é como calar as nossas bocas. A nossa postura continua a mesma", pode ler-se numa nota da federação.

A imprensa alemã tinha noticiado que Manuel Neuer, guarda-redes e capitão da seleção alemã, iria entrar em campo com a braçadeira e aceitar a punição de arrancar o jogo com cartão amarelo. No entanto, Neuer surgiu sem a braçadeira no relvado, ainda não sendo conhecido o motivo da mudança de última hora.

A polémica das braçadeiras ganhou relevância quando sete federações europeias — nas quais não se incluia a portuguesa – se uniram no sentido de utilizar a braçadeira com a inscrição "One Love", em alusão à igualdade que não é defendida no Qatar.

Inglaterra, País de Gales, Bélgica, Dinamarca, Alemanha, Países Baixos e Suíça acabaram por dispensar os seus capitães do uso da braçadeira, face à possibilidade de serem penalizados, mas referiram estar “frustrados” com a inflexibilidade demonstrada pela FIFA.

Nancy Faeser, ministra do Interior da Alemanha, surgiu com a braçadeira na bancada presidencial do estádio e esteve à conversa com Gianni Infantino, presidente da FIFA. A política alemã tinha apontado a um "grande erro da FIFA" e apelou à união dos países europeus.

"É mais do que lamentável que as federações europeias não se tenham oposto a isso, juntas. Isso teria sido um sinal importante. Neste momento é tudo uma questão de atitude, de todos, especialmente das federações", disse.
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Petervlg
    23 nov, 2022 Trofa 14:26
    isto é futebol, não política...
  • Raul Silva
    23 nov, 2022 Agualva-Cacém 13:40
    Mensagem dirigida ao nosso Presidente da República. Vale mais não falar do que contradizer-se constantemente sobre a sua ida ao Qatar.

Destaques V+