Tempo
|
A+ / A-

Sepp Blatter

Ex-presidente da FIFA admite erro na atribuição do Mundial ao Qatar

08 nov, 2022 - 13:53 • Redação

Sepp Blatter diz que "o futebol e o Mundial são grandes demais" para o Qatar, revela que a ideia inicial era escolher os EUA e dá a sua versão sobre o que se passou por trás da cortina.

A+ / A-

Joseph "Sepp" Blatter, ex-presidente da FIFA, admite o erro na escolha do Qatar para acolher o Mundial 2022 e mostra-se arrependido.

"Foi uma escolha errada e assumo a minha responsabilidade, como presidente da FIFA na altura. O futebol e o Mundial são grandes demais para isso", confessa, em entrevista ao jornal suíço "Tages Anzeiger".

Blatter explica que o plano inicial passava por atribuir a organização do Mundial aos Estados Unidos, algo que poderia ser visto como um "gesto de paz", depois de a edição de 2018 se ter realizado na Rússia.

Blatter recorda uma reunião, na semana anterior à votação, entre o então presidente da UEFA e "vice" da FIFA, Michel Platini, na residência oficial de Nicolas Sarkozy, à data presidente francês. Também marcou presença o príncipe herdeiro do Qatar, agora emir, Tamim bin Hamad al-Thani.

Segundo o antigo presidente da FIFA, Sarkozy pressionou Platini para que o Mundial se realizasse no Qatar. O antigo internacional francês ter-lhe-á telefonado, então, após a reunião em Paris, dando conta de que o plano de votação para o anfitrião do Campeonato do Mundo tinha mudado.

"Graças aos quatro votos de Platini e da sua equipa [UEFA], o Mundial 2022 foi para o Qatar e não para os Estados Unidos. É a verdade", diz Blatter sobre a votação, que terminou com o resultado de 14-8.

O antigo dirigente suíço revela, ainda, que os americanos "ficaram furiosos" ao verem fugir a organização do Mundial 2022.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+