Tempo
|
A+ / A-

Ada Hegerberg aceita regressar à seleção da Noruega ao fim de cinco anos

24 mar, 2022 - 10:17 • Redação

A primeira mulher a vencer a Bola de Ouro tinha-se afastado da seleção por acreditar que o futebol feminino não recebia o devido respeito na Noruega. Cinco anos depois, acredita que houve progressos e aceitou regressar à equipa.

A+ / A-
Ada Hegerberg venceu a Bola de Ouro em 2018. Foto: Yoan Valat/EPA
Ada Hegerberg venceu a Bola de Ouro em 2018. Foto: Yoan Valat/EPA
Ada Hegerberg tem sido decisiva pelo Lyon desde há várias épocas. Foto: Sergy Dolzhenko/EPA
Ada Hegerberg tem sido decisiva pelo Lyon desde há várias épocas. Foto: Sergy Dolzhenko/EPA

Ada Hegerberg, primeira Bola de Ouro feminina da história (2018), está de regresso às convocatórias da seleção da Noruega, cinco anos depois.

A ponta de lança do Lyon, de 26 anos, tinha abandonado a seleção em 2017, por entender que o futebol feminino não tinha "o respeito que merece" na Noruega - a Federação não apoiava a Liga nem a equipa nacional devidamente e não dava espaço a vozes mais críticas, acusou Hegerberg na altura. Decisão que a levou a falhar o Mundial 2019.

"Eu sei o que quero e sei quais são os meus valores. É fácil tomar decisões difíceis quando sabes quais são as ambições e os valores que defendes. É uma questão de sermos fiéis a nós próprios, de sermos quem somos", afirmou a avançada, no anúncio da decisão de abandonar a seleção.

Cinco anos mais tarde, Ada Hegerberg acredita que houve progresso aceitou regressar à seleção. Foi chamada para os jogos com Kosovo e Polónia, a contar para a fase de qualificação para o Mundial 2023.

Fazer a diferença na Noruega, dentro e fora de campo


Em conferência de imprensa, o selecionador norueguês, Martin Sjogren, não escondeu que "é bom poder voltar a contar" com a principal estrela. Hegerberg mostrou-se "realmente ansiosa" por regressar à seleção:

"Passaram-se cinco anos desde que decidi afastar-me e estou feliz por, todos juntos, termos conseguido chegar a uma boa solução. Quero contribuir ao máximo para o sucesso da equipa, mas também continuarei a lutar pela igualdade, dentro e fora de campo. Quero fazer a minha parte, para que atinjamos os nossos objetivos, e inspirar raparigas e rapazes. Agora, posso, finalmente, voltar a fazê-lo com a bandeira ao peito."

Ada Hegerberg soma seis campeonatos franceses, cinco Taças de França e cinco Liga dos Campeões ao serviço do Lyon. Em 2018, tornou-se a primeira mulher a receber a Bola de Ouro. É a jogadora com mais golos da história na Champions: 56, 15 deles numa só época, um recorde.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+