Tempo
|
A+ / A-

Villas-Boas recusou dois convites e quer estar no Mundial 2022

26 ago, 2021 - 15:59 • Lusa com Redação

Treinador admite que recusou dois clubes estrangeiros e aguarda por uma vaga numa seleção: "Como a seleção portuguesa está bem entregue há que esperar e ver o que se passa nesse mercado que é mais fechado".

A+ / A-

André Villas-Boas reforçou esta quinta-feira que "gostava muito" de assumir uma seleção, depois de ter negado treinar dois clubes estrangeiros, sem esconder o desejo de marcar presença no Mundial 2022 de futebol.

"Gostava muito de dar um passo para as seleções. Obviamente que, enquanto profissional, tenho de me manter aberto a tudo. Os campeonatos dos clubes acabam de começar e nesse aspeto o mercado não está agitado, infelizmente vivemos da desgraça dos outros, mas estou mais orientado para as seleções, gostava muito de treinar uma seleção, de dar um passo nesse sentido", admitiu.

O treinador falava hoje aos jornalistas no concelho de Tondela, à margem da apresentação do Caramulo Motorfestival, que decorre entre 3 e 5 de setembro, e onde o também piloto vai marcar presença.

"Como sabem, já me expressei muitas vezes sobre isso, prevejo uma carreira curta, de 15 anos, enquanto treinador. Gostava muito de fazer o Mundial, se calhar o Mundial do Catar. O mercado das seleções é muito mais fechado, mudam menos vezes", acrescentou.

Neste sentido, o técnico, de 43 anos, admitiu que apesar de "algumas alterações no pós-europeu", "a presença de um estrangeiro numa outra seleção, nem sempre é o mais apelativo".

"Como a seleção portuguesa está bem entregue há que esperar, que aguentar e ver o que se passa nesse mercado que é mais fechado", disse, apesar de ter reconhecido que houve "conversas informais com a Rússia, que acabou por optar por um selecionador russo".

"Propostas concretas [de seleções] não [tive]. De clubes apenas, dois dos quais recusei, estrangeiros, porque tenho a preferência para esperar por uma seleção", admitiu o técnico que teve a sua última experiência nos franceses do Marselha.

André Villas-Boas elogiou ainda a subida de posição de Portugal, para o quinto lugar no ranking da UEFA de clubes, e desejou que "seja um lugar para manter", porque "toda a gente sabe da importância do mesmo".

"No que toca aos clubes portugueses é um passo importante de afirmação, principalmente numa altura em que os clubes precisam de maior apoio económico e financeiro possível e acho que é importante", defendeu.

Enquanto não tem oportunidade de continuar a carreira no futebol, nomeadamente à frente de uma seleção, o que disse aguardar "tranquilamente", dedica-se à associação "Race for Good" que acabou de lançar.

"Tem-me dado bastante trabalho, cada vez chama mais público com vontade de a conhecer e então ando entretido com isso e com a criação de novas parcerias no sentido de ajudar mais as instituições que defendo", disse.

Aliás, a associação é uma das razões pela qual marca presença no Caramulo Motorfestival, onde também tem participação no desporto automóvel, mas onde terá um espaço dedicado á associação para venda de material e angariação de fundos.

Villas-Boas orientou nas últimas duas temporadas os franceses do Marselha, depois de ter comandado os chineses do Shangai SIPG, os russos do Zenit São Petersburgo, os ingleses do Tottenham e do Chelsea e FC Porto e Académica.

No início da carreira, chegou a comandar a seleção das Ilhas Virgens Britânicas.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+