A+ / A-

Fórmula 1 está a desenvolver combustível sustentável para reduzir emissões poluentes

27 set, 2023 - 08:15 • Lusa

A modalidade quer contribuir para as metas de redução em 55% das emissões de gases com efeitos de estufa (GEE) até 2030.

A+ / A-

Num relatório divulgado esta quarta-feira, em Bruxelas, a Fórmula 1 (F1) salienta que o combustível poderá ser utilizado "pela maioria dos automóveis de estrada em todo o mundo", para além dos carros de corrida.

Manifestando-se empenhada na luta contra as alterações climáticas e em contribuir para as metas de redução em 55% das emissões de gases com efeitos de estufa (GEE) até 2030, a entidade destaca que "a Europa e o mundo precisam de uma solução viável a médio prazo para o problema das emissões de carbono", considerando que "essa solução já existe: os combustíveis eletrónicos".

Salientando que a redução das emissões GEE não se faz apenas com a aposta nos veículos elétricos, a F1 defende o desenvolvimento de combustíveis eletrónicos sustentáveis, sintetizados a partir de componentes derivados de um sistema de captura de carbono, de resíduos municipais ou de biomassa não alimentar (como óleos usados).

"A grande vantagem dos combustíveis eletrónicos é o facto de funcionarem com o parque automóvel existente", refere o organismo.

A F1 destaca ainda "o sucesso" que está a ser a mistura de 55% de combustível sustentável obrigatória para carros nos campeonatos de Fórmula 2 e Fórmula 3 deste ano.

Os combustíveis sustentáveis apresentam claramente oportunidades, juntamente com os veículos elétricos, para descarbonizar os transportes, salienta ainda a F1, lembrando que podem ser usados pelo parque automóvel existente.

O relatório é apresentado esta quarta-feira à imprensa, em Bruxelas, pelo responsável técnico da F1, Pat Symonds, o professor de Engenharia da Universidade de Oxford Felix Leach e os antigos pilotos Sebastian Vettel e Jean Alesi.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+