Tempo
|
A+ / A-

Benfica

Pouca rotação? "Estamos no futebol profissional, temos é de ganhar jogos", atira Schmidt

15 set, 2023 - 13:01 • Redação

Treinador do Benfica defende-se de quem o acusa de não dar oportunidades aos jogadores que não fazem parte do núcleo duro. Também fala do Vizela, dos penáltis e da baliza.

A+ / A-

Roger Schmidt responde com dureza e quatro nomes a quem o acusa de não dar oportunidades suficientes a jogadores que não fazem parte do seu núcleo duro no Benfica.

Em conferência de imprensa, esta sexta-feira, o treinador do Benfica é confrontado com as declarações de Andreas Schjelderup, que deixou a Luz por entender que não seria aposta, e da mulher de Lucas Veríssimo, além das críticas de alguns adeptos e comentadores, que o acusam de rodar demasiado pouco a equipa.

"Não sou obrigado a rodar permanentemente, estamos no futebol profissional. Precisamos de ganhar jogos, é só isso conta e mais nada", atira em resposta.

Ainda assim, Schmidt garante que "todos os jogadores têm a mesma possibilidade de jogar" e que se sente "satisfeito" com a gestão que tem feito do plantel: "Se não estivesse satisfeito mudaria, os nossos objetivos são muito ambiciosos."

"Não faço diferença entre jogadores. Os melhores jogam. Se jogares bem, a possibilidade de jogares novamente é muito alta. Depois, às vezes, quando não estás no onze inicial, tens de ter paciência, treinar muito bem, esperar pela tua oportunidade e, se entrares, tens de aproveitar os minutos. Na temporada passada tivemos bons exemplos de que se continuares focado podes aproveitar oportunidades. Olhem o João Neves, o Chiquinho, o Alexander Bah, o Fredrik Aursnes. Tantos jogadores que aproveitaram o momento para ter uma oportunidade", assinala.

Dificuldades após a pausa


O Benfica regressa ao campeonato no terreno do Vizela, no sábado, a contar para a quinta jornada, após a pausa para as seleções. Uma deslocação "difícil", assume Roger Schmidt.

"Estou muito feliz com a condição física dos jogadores, todos estão saudáveis, que é o mais importante. A preparação é sempre um pouco diferente durante a pausa para as seleções, mas o último treino foi muito bom e estamos ansiosos pelo jogo. Será difícil, o Vizela é uma equipa muito agressiva, estádio pequeno, adeptos entusiásticos, viagem longa. É um desafio para nós, mas estamos muito bem preparados", afiança.

O treinador do Benfica revela que será especialmente complicado para os argentinos Otamendi e Di María, que "jogaram na Bolívia a 3.500 metros de altitude, depois viajaram 25 horas para Lisboa e agora têm de se sentar no autocarro para ir para Vizela".

"Render ao máximo nível não é assim tão fácil, especialmente a nível mental. É por isso que estes jogos se tornam mais difíceis. Seria sempre difícil, o Vizela é boa equipa. Mas estamos prontos", assegura.

Penáltis, lesões e a baliza


Na temporada passada, o marcador de penáltis do Benfica era João Mário. Esta época, tem sido Di María. Roger Schmidt explica a mudança:

"O João Mário foi muito bom a marcar penáltis na última época, muito seguro. Marcou seis ou sete, depois falhou um ou dois, o que afetou um pouco a confiança dele. Depois, terminámos a época e agora temos muito bons batedores de penaltis: o João Mário, o Ángel, o Orkun Kokçu, o Arthur Cabral. O Ángel marcou sempre nos amigáveis, por isso está confiante. Para já é a nossa primeira escolha, mas o João Mário também poderá bater penáltis outra vez no futuro."

Na baliza, persiste a dúvida: Samuel Soares ou Anatoliy Trubin? O ucraniano, que custou dez milhões de euros, ainda não se estreou, apesar de estar "pronto desde que chegou", mas em Vizela poderá, finalmente, ter uma oportunidade.

"O Trubin era novo, não tinha feito a pré-época e não tinha formado uma ligação com os companheiros. Agora esteve na seleção e não jogou, mas regressou bem e, na minha opinião, está muito melhor, está mais confiante e mais bem integrado do que antes. Estou muito contente com os guarda-redes que tenho e acredito que foi muito bom para o Samuel ter minutos na equipa principal. Agora vou ter de tomar uma decisão", reconhece Schmidt.

O técnico alemão revela, ainda, que Bah, David Jurásek e Juan Bernat - o último reforço de verão, que "veio com um pequeno problema de Paris" - já treinam no relvado: "Vou ter de decidir dia a dia, ou jogo a jogo, quando podem integrar a convocatória, mas é difícil de prever."

"Vamos ter muitos jogos e queremos que voltem o mais rapidamente possível, mas também não correremos quaisquer riscos", acrescenta.

O Benfica visita o Vizela no sábado, às 20h30, a contar para a jornada 5 da I Liga. Encontro com relato online e acompanhamento ao minuto na Renascença.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+