FC Porto volta a fazer o "tri" na Taça de Portugal, 13 anos depois

26 mai, 2024 - 20:05 • Inês Braga Sampaio

André Villas-Boas era o treinador na última vez que os dragões conquistaram a prova pela terceira temporada consecutiva. Benfica já não é o único "tri" em dose dupla.

A+ / A-

O FC Porto sagrou-se tricampeão da Taça de Portugal, este domingo, e repetiu o feito alcançado em 2010/11, há 13 anos, além de se ter tornado apenas o segundo "tri" em dose dupla da história da competição.

Foi com uma vitória sobre o Sporting, por 2-1, que Sérgio Conceição conquistou a sua quarta Taça de Portugal, a terceira consecutiva - sempre ao comando dos dragões, os últimos tricampeões da "prova rainha", que já tinham feito o "tri" entre 2008/09 e 2010/11. Na altura, contudo, foi com dois treinadores: Jesualdo Ferreira, nos dois primeiros títulos, e André Villas-Boas - agora presidente portista - no terceiro.

Antes desse título, há que dizer adeus ao século 21 e recuar aos anos 80 para encontrar mais um tricampeão da Taça. O Benfica venceu os troféus de 1984/85 a 1986/87. Os encarnados também tinham sido "tri" entre 1948/49 e 1951/52 - fizeram o "tetra" em 1951/52 - o quarto título em cinco anos, uma vez que, em 1949/50, a prova não se realizou.

Foi a segunda das duas únicas vezes que isso aconteceu, desde a criação da Taça de Portugal, em 1938/39. A primeira "impediu" o Sporting de vencer três anos seguidos: os leões ganharam em 1944/45 e 1945/46, houve interrupção no ano seguinte e festejaram o "tri" em 1947/48.

Esta é, também, a quarta Taça conquistada por Sérgio Conceição: ao "tri", acrescenta-se a vitória em 2019/20, também com o conimbricense. É apenas o terceiro treinador da história a conquistar quatro troféus, depois de Otto Glória e de José Maria Pedroto, outro histórico do FC Porto.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+