Tempo
|
São Bento à Sexta
Os bastidores do Parlamento e da política nacional. Sexta às 23h10.
A+ / A-
Arquivo
O parágrafo da PGR

São Bento à Sexta

​Brilhante Dias "perplexo" com parágrafo acrescentado pela PGR

17 nov, 2023 • Susana Madureira Martins


Líder parlamentar do PS pede esclarecimentos a Lucília Gago por causa da Operação Influencer. Já o presidente do grupo parlamentar do PSD, Joaquim Miranda Sarmento, defende que é preciso aguardar pelo final da investigação para tirar eventuais consequências.

O líder parlamentar do PS, Eurico Brilhante Dias, diz-se perplexo depois de saber que terá sido a própria a própria procuradora-geral da República, Lucília Gago, a acrescentar o parágrafo no comunicado do Ministério Público sobre a Operação Influencer que levou à demissão do primeiro-ministro, António Costa.

Em declarações ao programa São Bento à Sexta, da Renascença, Eurico Brilhante Dias diz que isso aumenta a necessidade de Lucília Gago prestar esclarecimentos.

“Tenho uma perplexidade, mas a Sra. procuradora poderá esclarecer e é isso que insisto que deve ser feito: porque é que a Sra. procuradora decidiu acrescentar aquele parágrafo, quando o próprio DCIAP [Departamento Central de Investigação e Ação Penal] não o tinha incluído no comunicado. E isso é uma decisão da própria.”

Por seu lado, o líder parlamentar do PSD, Joaquim Miranda Sarmento, defende que é preciso aguardar pelo final da investigação da Operação Influencer para concluir sobre eventuais consequências em relação à procuradora-geral da República.

“Diz o Ministério Público que a investigação é sobre o Data Center, o lítio e o hidrogénio e nós ainda só conhecemos uma parte. Eu aguardaria pelo final do processo. Se no final se provar que a investigação foi mal conduzida, que nada das suspeitas tinham qualquer substância, claro que a Justiça também tem que ser escrutinada, criticada e tem que haver consequências”, afirma Joaquim Miranda Sarmento.

O PS e o PSD esperam a dissolução do Parlamento um ou dois dias depois de o Presidente da República aceitar oficialmente a demissão do primeiro-ministro. Aí, o Governo entra em gestão e com limites à capacidade de legislar. Fica a garantia de Eurico Brilhante que não será o PS a servir de veículo do executivo para produzir legislação.

O Parlamento continuará a trabalhar até ao dia 15 de janeiro, após a demissão do Governo. O líder parlamentar do PSD, Joaquim Miranda Sarmento, confia que a legislação que for aprovada até lá pelo Parlamento não será significativa.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.