Tempo
|
São Bento à Sexta
Os bastidores do Parlamento e da política nacional. Sexta às 23h10.
A+ / A-
Arquivo
O PSD quer ouvir Seguro Sanches sobre "Tempestade Perfeita", PS desvaloriza eventual "falta de cautela" de Cravinho
Ouça o São Bento à Sexta desta semana

São Bento à Sexta

O PSD quer ouvir Seguro Sanches sobre "Tempestade Perfeita". PS desvaloriza eventual "falta de cautela" de Cravinho

16 dez, 2022 • Susana Madureira Martins


Os social-democratas querem explicações do ex-secretário de estado da Defesa sobre a operação "Tempestade Perfeita", tendo em conta que foi Seguro Sanches que ordenou a auditoria que concluiu irregularidades na gestão de Alberto Coelho. O PS regista que Gomes Cravinho se disponibilizou de imediato a ir ao Parlamento para falar do assunto

O Parlamento debate na terça-feira as suspeitas de corrupção na Defesa, com a presença do ministro dos Negócios Estrangeiros João Gomes Cravinho, mas o PSD avisa desde já que também gostava de ouvir explicações de Jorge Seguro Sanches, atual deputado do PS sobre o mesmo assunto.

Foi Seguro Sanches, enquanto secretário de Estado da Defesa no anterior Governo, que ordenou uma auditoria, onde se concluía que existia uma derrapagem no valor das obras de adaptação do antigo Hospital Militar de Belém.

O líder parlamentar social-democrata quer perceber porque é que havendo já indicações sobre a atuação de Alberto Coelho na Direção-Geral de Recursos da Defesa Nacional, agora detido na operação "Tempestade Perfeita", se manteve a sua nomeação para a Empordef.

Joaquim Miranda Sarmento considera que Seguro devia explicar "a sua intervenção no processo ao indicar que não deveria ocorrer aquela nomeação" e ao detetar a "situação grave porque é que o ministro não seguiu essa indicação".

No programa da Renascença São Bento à Sexta, o líder parlamentar do PS foi questionado se houve pouca cautela de João Gomes Cravinho nesta nomeação de Alberto Coelho já depois do resultado da auditoria, com o líder parlamentar do PS a responder que a falta de cautela não é uma ilegalidade nem de natureza admnistrativa, nem criminal, é uma ponderação e o senhor ministro dirá qual foi a sua ponderação".

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.