Tempo
|
Ribeiro Cristovão
Opinião de Ribeiro Cristovão
A+ / A-

O destino vem a caminho

17 nov, 2021 • Opinião de Ribeiro Cristovão


Nesta altura, não nos parece até recomendável que venha a existir qualquer iniciativa tendente a criar instabilidade que, por agora, poderia transformar-se no maior adversário da equipa nacional.

Terminada ontem a fase de grupos de qualificação para o Mundial de Futebol do próximo ano, são agora conhecidas as doze selecções que vão integrar os Grupos 1 e 2, e que em finais do mês de março de 2022 vão disputar os play-off, em novos moldes, tão complexos quanto difíceis.

Fazendo parte do grupo 1, o dos cabeças-de-série, Portugal vai ter um entre possíveis seis adversários do outro grupo. E são eles: Turquia, Polónia, Macedónia do Norte, Ucrânia, Áustria e República Checa.

Jogar-se-á então a meia-final, passando o vencedor de um só desafio à final, podendo, nessa altura, vir a defrontar-se uma equipa que agora se situe no mesmo grupo. Daí o termos dito antes, que se trata de um play-off em novos moldes, tão complexos como difíceis.

Daqui a mais de quatro meses vão ser apuradas as três selecções, que completarão o lote dos finalistas para o Mundial do Qatar.

Até lá vamos, certamente, ter de contar com o tema Fernando Santos e a sua continuidade à frente da nossa seleção.

As vozes contestatárias vão continuar a fazer-se ouvir, aumentando o ruído que se intensificou após a derrota frente à Sérvia, e mantendo um ambiente nada recomendável e que não contribuirá para a estabilidade do grupo que o seleccionador decida juntar para as duas difíceis jornadas de março.

Diga-se aquilo que se disser, já todos sabemos que não haverá ruptura na Federação Portuguesa de Futebol. Fernando Santos foi claro quando afirmou ter condições para prosseguir o seu trabalho, enquanto do presidente federativo não se conhece nenhuma intenção de alterar o comando da selecção.

Nesta altura, não nos parece até recomendável que venha a existir qualquer iniciativa tendente a criar instabilidade que, por agora, poderia transformar-se no maior adversário da equipa nacional.

Esperemos, pois, por finais de março para então jogarmos a cartada decisiva que todos desejamos nos leve ao Qatar, para mais uma presença numa fase final do Campeonato do Mundo.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Petervlg
    18 nov, 2021 Trofa 08:53
    Mas é o que, órgãos de comunicação estão a fazer, em vez de pedir a união, estão a tentar destabilizar. Este ruido criado pelos órgãos de comunicação, resolvia-se rapidamente, se tivéssemos o Presidente da federação de futebol a comunicar a todos os Portugueses, que o contrato do selecionar Fernando Santos é para cumprir ate ao fim, independentemente dos resultados. É o nosso Selecionador Nacional.