Tempo
|
Nota de Abertura
Nota de Abertura
A+ / A-

Eutanásia

31 out, 2021 • Opinião de Nota de Abertura


Em vez da vida há partidos obcecados em dar prioridade à morte. Procuram aprovar a eutanásia quando a dissolução do parlamento já foi pré-anunciada pelo próprio Presidente da República. Qualquer parlamento pode ser dissolvido. Mas vida nenhuma pode ser descartada.

O mundo vive há quase dois anos sob o espectro da morte, devido à Covid 19.

Governos, empresas, médicos, enfermeiros, cientistas, investigadores, cuidadores, instituições mobilizaram-se para este combate pela vida.

Sobretudo pela vida dos mais frágeis: seja pela idade, pelas doenças ou devido a débeis condições económicas que dificultam o acesso aos cuidados de saúde.

Ao longo deste tempo, vimos famílias destroçadas, mas sempre agarradas à vida - protegendo os mais fracos, vacinando-os e deles cuidando, no limite das suas forças e capacidades.

Em fim de ciclo, devido ao chumbo do orçamento do Estado, o parlamento português parece não aprender as lições da pandemia.

Em vez da vida há partidos obcecados em dar prioridade à morte. Procuram aprovar a eutanásia quando a dissolução do parlamento já foi pré-anunciada pelo próprio Presidente da República.

E pretendem fazê-lo, sem ao menos consultar os eleitores. Querem fechar o tema, desligando-o da próxima campanha eleitoral.

Nas eleições de 2019, nenhum partido defendeu a euntanásia. Mas uma vez eleitos, fizeram dela prioridade.

Agora, quando se aproxima nova ida às urnas, pretendem de novo evitar o debate e fechá-lo na decisão de um parlamento à beira da dissolução.

A vida é demasiado preciosa e dolorosamente frágil, para ser usada e manipulada ao sabor de meros calendários ideológicos e partidários.

O sofrimento de cada pessoa não cabe nas abstrações de uma lei.

A consciência última de cada um, não é determinável pelo ímpeto legislativo de quem pretende decidir sem ouvir. Sem ouvir o povo e sem ouvir instituições e peritos que lidam diariamente com a vida e a morte.

Tais peritos sabem que as teorias legislativas não conseguem abarcar a experiência humana de quem se confronta com a doença.

Quem lida de perto com os doentes conhece o carrossel permanente dos sobressaltos, dúvidas e angústias - ao longo de anos, meses, semanas e mesmo durante um único dia.

Uma lei da eutanásia fragiliza quem já era frágil. Atrai para a morte quem ainda pode viver. Obriga médicos e enfermeiros a contrariar a sua vocação e o seu compromisso, profissional e humano.

Talvez reduza a despesa do Estado, mas agrava irremediavelmente a vida de pessoas, que são - cada uma delas - únicas, insubstituíveis e por isso valiosas.

Qualquer parlamento pode ser dissolvido. Mas vida nenhuma pode ser descartada.

Tópicos
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Maria do Céu Perdigã
    01 nov, 2021 Porto 23:00
    Sou e serei sempre contra a eutanasia . Há imensos motivos para esta minha decisão. Mas a ciência explica muito melhor esta opinião Vejam o que diz a Bioética e muitos professores/ filósofos médicos e o Santo Padre.
  • Maria Oliveira
    01 nov, 2021 Lisboa 07:49
    Tudo isto é de uma enorme desonestidade. Nenhum partido tratou deste assunto nas campanhas eleitorais das eleições legislativas de 2019. Ninguém disse ao que vinha. E, por isso, nenhum votante deu a sua opinião. Mesmo assim, quiseram aprovar a lei da morte. Não passou no Tribunal Constitucional. Agora, mesmo com a anunciada dissolução do Parlamento, pretendem impôr a lei da morte. A nova formulação é ainda pior que a anterior. Esperemos que volte a chumbar no TC.