Tempo
|
José Miguel Sardica
Opinião de José Miguel Sardica
A+ / A-

10 de Junho: o dia do que não se pode falar?

09 jun, 2021 • Opinião de José Miguel Sardica


Na era do globalismo, do transnacionalismo, do cosmopolitismo e do multiculturalismo, um patriota ou é saudosista, ou fascista, ou populista, ou tudo isto junto.

Quando a democracia reinventou o 10 de Junho, em 1977, com discursos de Vergílio Ferreira, de Jorge de Sena e do presidente da República, Ramalho Eanes, quis-se relançar uma tradição, enquadrando-a num outro futuro. A velha festa republicana, que vinha do tricentenário camoniano de 1880, eclipsara-se no decurso do século XX, antes de o Estado Novo se apropriar dela como o “Dia da Raça” (portuguesa), ou seja, o dia de comemorar o Portugal imperial do Minho a Timor, e de encher uma cinzenta Praça do Comércio com o desfile dos soldados que Américo Tomás medalhava consoante os valorosos feitos nas pouco valorosas guerras do ultramar. Em 1977, a “raça” desapareceu e o feriado passou a ser o dia de Portugal, de Camões e - expressão nova - das comunidades portuguesas. O império já se finara, mas o pequeno país europeu não voltou as costas à noção e à realidade históricas da diáspora lusa, espraiada pelas quatro partidas do mundo, que fizera a identidade de Portugal desde os primórdios do século XV. Camões, o épico autor d’Os Lusíadas, ainda era - antes da maré pessoana dos anos 1980 - referência maior e central das letras portuguesas. E Portugal, a sua pátria, a pátria dos que, três anos depois da alvorada de Abril, o celebraram, celebrando o novo país democrático, era motivo de orgulho, de esperança, de devoção cívica. O passado que então se cancelava era o da ditadura de Salazar e de Marcelo Caetano, afogada nos 13 anos da insolúvel guerra de África – mas renunciar ao Estado Novo não significava apagar as raízes, as pertenças, os espaços e os símbolos de outros passados do país.

Mais de 40 anos desde esse primeiro 10 de Junho solenizado pela democracia, e quase 50 desde o golpe de Abril, o transcurso do tempo tende a rotinizar atos de celebração pública como o feriado de amanhã. O que significa ele em 2021? Podem o regime e os portugueses lembrar e homenagear Portugal, Camões e as comunidades portuguesas? Só se for mesmo amanhã, porque amanhã é 10 de Junho; caso contrário, não faltariam os críticos de tudo o que o dia significa. Na era do globalismo, do transnacionalismo, do cosmopolitismo e do multiculturalismo, um patriota ou é saudosista, ou fascista, ou populista, ou tudo isto junto. A cartilha cultural em vigor manda desdenhar das pátrias, sobretudo se, como a portuguesa, foi (e é) europeia, Ocidental, de maioria branca e católica e com um passado de expansão atlântica. Por isso mesmo, as “comunidades portuguesas” são outra realidade escorregadia, porque elas são as herdeiras (mesmo não o querendo) desses “horrendos” descobrimentos de que hoje todo o bem-pensante deve fazer ato de contrição. Sobra Camões. Mas Camões ainda é estudado nas nossas escolas, ou já o proscreveram, como opressor de africanos e asiáticos e adorador do “sanguinário” Gama? Quem é que hoje repara, ou recorda, que Os Lusíadas são uma das obras-primas literárias da humanidade e uma extraordinária narrativa poética de um país e de uma história inesquecíveis?

Num mundo de narrativas fluídas, de relativismos culturais, em que todos temos de ser cinzentos, insossos, neutrais, inclusivos, contritos, tolerantes, pós-coloniais, pós-nacionais, pós-Ocidentais e etc., e em que os radicais do multiculturalismo e das esquerdas gritam “fascista!” quando leem a palavra pátria, o 10 de Junho faz todo o sentido – faz cada vez mais sentido. Portugal é espaço, tempo, identidade e história, todos feitos de grandezas e de misérias, complexos e contraditórios, mas sempre ricos de ensinamentos para a democracia que os herdou. Nenhum presente amnésico, ditado por modas mais ou menos censórias, deve cancelar um tal legado inspirador.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Ivo Pestana
    09 jun, 2021 Madeira 14:17
    3 classes mandam em Portugal e esbanjasse muito dinheiro em Portugal. Quanto custam os 10 de Junho a Portugal, alguém fez as contas? Eu não festejo dias políticos.