Tempo
|
José Luís Ramos Pinheiro
Opinião de José Luís Ramos Pinheiro
A+ / A-

Moscovo agradece

09 out, 2023 • Opinião de José Luís Ramos Pinheiro


O carácter inesperadamente brutal do ataque do Hamas a Israel levou a que, num ápice, os holofotes se tenham deslocado para o Médio Oriente e a guerra na Ucrânia passado para segundo plano.

A guerra é sempre uma tragédia. E as vítimas, as mesmas de sempre – civis, inocentes, de todas as idades e condições.

O ataque do Hamas é de uma brutalidade imensa e está a gerar uma resposta brutal do Estado de Israel.

Os serviços secretos israelitas não terão conseguido antecipar em tempo útil a ofensiva do Hamas, exatamente como sucedeu há precisamente 50 anos, na Guerra do Yom Kippur.

É impossível que os militantes do Hamas ignorassem, porém, o que se seguiria aos massacres que conduziram em território israelita. O Hamas não se limitou a atacar alvos militares ou a enfrentar as forças armadas de Israel. A principal característica do ataque do Hamas foi o massacre de civis, estivessem calmamente nas suas casas ou a participar num concerto (ironicamente) dedicado à paz.

A extrema-esquerda portuguesa já se está a posicionar e a apoiar a matança de centenas de inocentes, como forma legítima de combate a Israel. A extrema-esquerda portuguesa encolheu-se na condenação à Rússia pela invasão militar da Ucrânia e subscreve agora métodos puramente terroristas como aqueles que o Hamas utilizou contra populações indefesas.

Ao fazê-lo, o Hamas sabia que a resposta seria devastadora. Ao assassinar e raptar centenas de civis israelitas, o Hamas tinha consciência de que nesse preciso momento estava a entregar à morte centenas ou milhares de palestinianos.

Depois de um ataque terrorista desta natureza, a solução política para a Palestina ficará também mais distante e dolorosa. Nem ataques terroristas como estes nem a resposta militar avassaladora em curso ajudarão a sarar feridas e a abrir caminho para a paz e para uma solução política duradoura que respeite israelitas e palestinianos.

Tudo isto o Hamas sabia. E tudo sabendo, incluindo o genocídio dos palestinianos e o risco do seu próprio suicídio militar e político, os responsáveis do Hamas decidiram avançar. Decidiram ou alguém os instigou a avançar.

O carácter inesperadamente brutal do ataque do Hamas levou a que, num ápice, os holofotes se tenham deslocado para o Médio Oriente e a guerra na Ucrânia passado para segundo plano.

Os Estados Unidos - já a braços com cisões políticas internas sobre a ajuda à Ucrânia e com um ano eleitoral à porta – têm muito a perder, com a reabertura de uma crise militar, política e humanitária no médio oriente. Mesmo em Washington, os recursos financeiros têm um limite. E as opções geoestratégicas americanas não são imunes aos lobbies, incluindo os de natureza judaica.

Também num ápice, mas sem a mesma gravidade imediata, tivemos notícia, nas últimas semanas, do regresso dos confrontos militares entre Azerbaijão e Arménia. E de repente, igualmente nos últimos dias, fomos confrontados com o aumento da tensão entre a Sérvia e o Kosovo, devido à concentração anormal de tropas sérvias junto à fronteira.

O aumento da instabilidade militar na Europa ou no Médio Oriente, designadamente por forças políticas e militares que ainda são ou foram velhos aliados de Moscovo, desvia as atenções do conflito da Ucrânia.

Objetivamente, o aumento da desestabilização internacional e a proliferação de focos de conflito permitem à Rússia (pelo menos teoricamente) uma de duas coisas: aumentar a pressão militar no terreno sem o mesmo empenho do ocidente na ajuda à Ucrânia ou criar condições para que algumas das suas reivindicações sejam finalmente toleradas pela comunidade internacional e Putin possa assim perder a guerra (por não ter derrubado o governo de Kiev), mas sem perder a face.

Pode ser coincidência, mas a potência mundial que sai diretamente a ganhar com este conflito orquestrado no Médio Oriente é a Rússia. E Moscovo tudo fará para aproveitar o momento.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Timbo Caspite
    10 out, 2023 Lisboa 10:59
    Toda guerra é a prova cabal da ineficiência governamental em gerir conflitos. De todos os lados. E ponto. No tocante à crise eterna entre Israel e Palestinos, a própria Síria outrora anexou terras palestinas e nem sequem tocam no assunto. É fato que Palestinos querem reaver terras que no passado foram tomadas a força e a força querem retomá-las. Os Judeus mostram sua força e resiliência em todos os tempos até no fim dos tempos. Maranata.