Tempo
|
Hora da Verdade
Uma parceria entre a Renascença e o jornal “Público”. Entrevistas aos protagonistas da atualidade. Quinta às 23h20.
A+ / A-
Arquivo

Hora da Verdade

“Governo tirará lições das eleições autárquicas”

14 out, 2021 • Eunice Lourenço (Renascença) e Liliana Borges (Público)


Mariana Vieira da Silva acredita que, apesar da derrota em Lisboa, Fernando Medina “tem o futuro à frente”. Diz que é preciso que todos os partidos tirem lições dos resultados autárquicos e promete que o Governo também irá tirar.

"A política não é um jogo de futebol", diz Mariana Vieira da Silva em reação a resultados de Medina
"A política não é um jogo de futebol", diz Mariana Vieira da Silva em reação a resultados de Medina

Foi a voz que apresentou a moção sectorial do secretário-geral do PS e substituiu o primeiro-ministro durante as férias. No congresso socialista fez parte do friso reservado a eventuais sucessores de António Costa.

Para já, Mariana Vieira da Silva, ministra do Estado e da Presidência, não traça o fim do futuro político de Fernando Medina, outro possível concorrente à sucessão de António Costa, nem quer falar de remodelação.

Um cenário de que se fala recorrentemente é de remodelação. O primeiro-ministro diz que com o Inverno vem um refrescamento. Foi ironia ou depois do OE é tempo de refrescar?

Essa é aquela pergunta que é muito fácil para qualquer pessoa que não seja o primeiro-ministro. A competência da constituição do Governo é única e exclusivamente do primeiro-ministro e é a ele que cabe decidir o que fazer, se fazer, como fazer. A essa pergunta não tenho nenhuma resposta.

Nas discussões do OE há sempre notícias de divisão dentro do Governo. Há uns anos tivemos o ministro da Saúde a dizer "somos todos Centeno". Agora são todos Leão?

É evidente que há um momento em que do conjunto e das disponibilidades que tem cada um deve defender o interesse das áreas que representa. E esse equilíbrio é feito em debate, não é feito ao acaso nem com um consenso que se geraria por mero acaso. Nem sempre é fácil mais faz parte. E ao longo da história muitas crises muito sérias decorreram desse debate. É o normal da vida política.

Mas esse debate interno chegou a ter expressão pública com o ministro Pedro Nuno Santos manifestou alguma impaciência.

Faz parte da vida política. O pragmatismo implica saber que é assim. Há sempre dimensões públicas.

Não foi uma falta de solidariedade governamental?

O que importa é chegar ao fim com um orçamento entregue e com os problemas que identificamos resolvidas. É inquestionável que na ferrovia têm sido anos de investimento como há anos não se via.

Solução para o Orçamento pode envolver legislação laboral e Estatuto do SNS
Solução para o Orçamento pode envolver legislação laboral e Estatuto do SNS

E o que é que responde a quem diz que parecemos viver um clima de fim de ciclo?

Eu julgo que um pós-crise é sempre um momento muito difícil. Vivemos concentrados num único assunto, agora confrontamo-nos com o resto da vida a acontecer, com os problemas que ficaram para trás, com as aprendizagens que ficaram por fazer, com as consultas que ficaram por fazer - para dar dois exemplos muito na ordem do dia - e isso também é verdade nas nossas vidas. Há um bocadinho essa sensação. Agora, o que importa saber é quem é que tem as respostas de que o país precisa agora. Quem é que oferece as melhores respostas para os desafios que o país tem. E, sou suspeita, é certo, mas aquilo que vemos no debate político é que é o Partido Socialista e é o governo do Partido Socialista que tem essas respostas, que tem esse equilíbrio entre a recuperação e o futuro. De resto vejo muitas críticas e poucas alternativas.

Num próximo ciclo, agora ou mais tarde, vê-se a assumir a pasta da Educação?

Julgo que essa conversa do futuro de cada um não é uma conversa que me mova particularmente. Eu tenho um conjunto de desafios muito importantes neste Governo, até porque coordeno aqueles dois desafios estratégicos das desigualdades e da demografia, e estou muito bem nesse papel.

E também se sentiu muito bem no papel que chegou a desempenhar de primeira-ministra em funções?

Foi uma quinzena difícil, devo dizer. Mas como em todas as organizações, há sempre um período em que todos têm o direito ao seu descanso e há sempre quem os substitua. E eu aquilo que espero sempre é cumprir as minhas funções e as tarefas que me cabem com qualidade e com empenho.

Vê-se a desempenhar esse cargo não em regime de substituição?

Eu julgo que essa conversa já teve o seu tempo no passado mês de agosto. É para mim claríssimo que o presente e o futuro do país e do PS é António Costa.

Saindo da área governamental, como dirigente do PS, que avaliação faz do resultado das autárquicas?

Nós dissemos sempre qual era o critério e como é que definíamos uma vitória eleitoral. E foi sempre este o critério que definimos: quem tem mais câmaras e chega ao ponto de poder eleger a Associação Nacional de Municípios; quem tem mais freguesias e chega ao ponto de poder presidir à ANAFRE. Esses dois critérios, que são os critérios que sempre definimos, foram critérios onde ficou claríssima a vitória do Partido Socialista e, portanto, é nesse quadro que avalio as eleições autárquicas. Cabe-nos também olhar para os sinais, que foram dados em algumas zonas do país, de que as pessoas esperam mais respostas e é isso que nos cabe fazer. Não desvalorizo nenhum resultado, até por formação é preciso perceber o que é que acontece no país, quais são as preocupações dos mais jovens, dos mais velhos, como é que eles se posicionam perante esta saída da crise, e procurar as respostas. Julgo que essas são as lições que internamente cada partido tem de tirar. O Partido Socialista certamente tira.

E o Governo também tirará?

E o Governo também tirará.

Um momento da noite eleitoral, e que acabou por ditar um bocadinho da leitura das autárquicas, foi o PS ter perdido Lisboa. Acha que o futuro político de Fernando Medina fica comprometido com esta derrota?

O Partido Socialista tem muitos quadros que podem desempenhar muitas funções, entre eles e entre os seus melhores está certamente o Fernando Medina. A política não é um jogo de futebol. O povo avalia em cada momento e faz as suas escolhas, e essas escolhas não menorizam todo o trabalho que eu creio que é visível e reconhecido por muitos, mesmo alguns que agora escolheram mudar o trabalho que foi feito em Lisboa pelo Fernando Medina. E todas as capacidades que ele tem. O futuro está à frente dele certamente.

Ministra da Presidência não acredita em "caminho comum de recuperação" com PSD
Ministra da Presidência não acredita em "caminho comum de recuperação" com PSD
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.