Histórias do Europeu
A Renascença conta-lhe as glórias e as desventuras dos Campeonatos da Europa de futebol, uma história que tem início em 1960 e que se estende até aos dias de hoje. E há de tudo: lendas, vitórias épicas, derrotas inesperadas, golos especiais e episódios memoráveis. “Histórias do Europeu” é um programa para ouvir de segunda a sexta, ao meio-dia e às oito da noite, na Renascença e, sempre que quiser, em podcast.
A+ / A-
Arquivo
O famoso penálti de Panenka: o episódio 20 do “Histórias do Europeu”

“Histórias do Europeu"

O famoso penálti de Panenka: o episódio 20 do “Histórias do Europeu”

10 jun, 2024


Neste 20.º episódio do podcast, o jornalista Luís Aresta fala-lhe daquele pontapé mágico e eterno de Antonín em 1976. A Renascença conta-lhe as glórias e as desventuras dos Campeonatos da Europa de futebol. De 1960 aos dias de hoje… há de tudo: lendas, vitórias épicas, derrotas inesperadas, golos especiais e episódios memoráveis!

Todo ouvimos falar do penálti à Panenka, mas poucos conhecemos o exato momento em que nasceu essa forma inusitada de enganar o guarda-redes com a bola parada a 11 metros da linha de baliza.

Foi na final da quinta edição dos Campeonatos da Europa que nasceu o famoso pontapé. Mas já lá vamos. Antes, importa lembrar que esse Europeu de 1976, que teve Dieter Muller como melhor marcador, foi realizado na antiga Jugoslávia, com apenas quatro seleções na fase final. No fundo, duas meias-finais e curiosamente ambas vão a prolongamento, com a Checoslováquia a eliminar os Países Baixos e a então República Federal da Alemanha a afastar a equipa da casa, a Jugoslávia.

Checos e germânicos avançam para a final e encontram-se no estádio do Estrela Vermelha, em Belgrado, a 20 de junho de 1976.

Os alemães, treinados por Helmut Schon, são favoritos, mas a Checoslováquia, treinada pelo eslovaco Václav Ježek, chegou ao 2-0 e acabou por impor um inesperado empate a dois.

A final vai para penaltis.

Conta-se que Jezek preparou a equipa para esse momento crítico, pedindo aos espectadores que assistiam aos treinos para assobiarem os seus jogadores enquanto estes praticavam a marcação de penáltis. E a coisa resultou...

É após Uli Hoeness atirar por cima da barra o quinto pontapé da RFA que Antonín Panenka engana o guarda-redes Sepp Maier, com uma corrida prolongada antes de, com subtileza, lhe picar a bola por cima.

Assim nasce o penalti à Panenka.

Os checos são campeões.

Panenka vem mais tarde dizer que percebeu que essa era a forma mais fácil de marcar um penálti, mas a verdade é que muitos tentam e falham. O génio faz toda a diferença.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.