Histórias do Europeu
A Renascença conta-lhe as glórias e as desventuras dos Campeonatos da Europa de futebol, uma história que tem início em 1960 e que se estende até aos dias de hoje. E há de tudo: lendas, vitórias épicas, derrotas inesperadas, golos especiais e episódios memoráveis. “Histórias do Europeu” é um programa para ouvir de segunda a sexta, ao meio-dia e às oito da noite, na Renascença e, sempre que quiser, em podcast.
A+ / A-
Arquivo
EURO 2024 - 6 de Junho - A excentricidade dos golos de ouro

​"Histórias do Europeu"​

A excentricidade dos golos de ouro: o episódio 18 do “Histórias do Europeu”

06 jun, 2024 • Luís Aresta


Neste 18.º episódio do podcast, o jornalista Luís Aresta fala-lhe sobre a magia (ou agonia) dos golos de ouro. A Renascença conta-lhe as glórias e as desventuras dos Campeonatos da Europa de futebol. De 1960 aos dias de hoje… há de tudo: lendas, vitórias épicas, derrotas inesperadas, golos especiais e episódios memoráveis!

A regra do ‘golo de ouro’ deve ter sido uma das ideias mais excêntricas do futebol. E Portugal também sofreria com a chamada “morte súbita”.

O nome já diz tudo...

O que diz a regra do ‘golo de ouro’, afinal? São acrescentadas aos 90 minutos regulares duas metades de 15 minutos (ou seja, um prolongamento), mas, atenção, se alguma equipa marcar um golo durante esse tempo extra, essa equipa torna-se vencedora e o jogo termina. Subitamente.

O primeiro Europeu com ‘golos de ouro’ foi o de 1996 e seria essa regra a definir o campeão. Na final, Oliver Bierhoff marcou ao minuto 5 do prolongamento o golo da vitória, por 2-1, sobre a República Checa e deu o título à Alemanha.

Quatros anos depois, a campeã do mundo França é séria candidata a suceder aos germânicos. Os franceses, que já nos quartos de final tinham sido uns sortudos frente à Espanha, só ultrapassaram Portugal (2-1) nas meias-finais, com um ‘golo de ouro’ aos 117 minutos. Foi um penálti de Zidane, após a famosa mão marota de Abel Xavier.

Mas a pérola estava reservada para a final de Roterdão.

Delvecchio adiantou a Itália e, depois de Del Piero falhar duas ocasiões para matar o jogo, é o suplente francês Sylvain Wiltord que força o prolongamento aos 90’+4. O tempo extra só dura três minutos, o tempo necessário para Trezeguet marcar um ‘golo de ouro’ e declarar a ‘morte súbita’ da Itália.

Em 2004, a FIFA acaba com o golo de ouro, mas a UEFA mantém por mais uns meses o golo de prata no Europeu que Portugal organiza e perde para a Grécia.

Para concluir a história, só falta dizer que os gregos chegaram à final de 2004 graças ao baterem a República Checa com um golo de prata.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.