Histórias do Europeu
A Renascença conta-lhe as glórias e as desventuras dos Campeonatos da Europa de futebol, uma história que tem início em 1960 e que se estende até aos dias de hoje. E há de tudo: lendas, vitórias épicas, derrotas inesperadas, golos especiais e episódios memoráveis. “Histórias do Europeu” é um programa para ouvir de segunda a sexta, ao meio-dia e às oito da noite, na Renascença e, sempre que quiser, em podcast.
A+ / A-
Arquivo
A seca e a fartura espanholas: o episódio 16 do “Histórias do Europeu”

"Histórias do Europeu"

A seca e a fartura espanholas: o episódio 16 do “Histórias do Europeu”

04 jun, 2024 • Luís Aresta


Neste 16.º episódio do podcast, o jornalista Luís Aresta fala-lhe sobre o trajeto glorioso da seleção espanhola. A Renascença conta-lhe as glórias e as desventuras dos Campeonatos da Europa de futebol. De 1960 aos dias de hoje… há de tudo: lendas, vitórias épicas, derrotas inesperadas, golos especiais e episódios memoráveis!

Campeã da Europa em 1964, com Franco no poder e Villalonga selecionador, a Espanha viria a passar por uma longa seca de títulos. Foram 44 anos sem ganhar, para ser mais exato.

Em 1984, os espanhóis estiveram perto de festejar, mas perderam a final com a famosa França de Platini que tinha deixado Portugal pelo caminho as meias-finais.

A terceira final para a Espanha só chega em 2008, sob o comando de Luis Aragonés, para finalmente repetir o feito de 1964. Antes do jogo do título, os espanhóis deixaram pelo caminho os russos (ex-União Soviética) contra quem tinham sido campeões 44 anos antes.

A final de 2008, em Viena, foi com a Alemanha. A Espanha foi campeã graças a um único golo de Fernando Torres. Seria o então avançado do Liverpool a resolver, na ausência do lesionado David Villa, o melhor marcador desse Europeu com cinco golos.

Era uma Espanha de luxo, a de 2008, com a veia goleadora de Villa e Torres, acompanhada da segurança defensiva de Casillas, Puyol e Sergio Ramos, e de um meio-campo que dá música aos adversários sob a batuta de Iniesta.

É a mesma Espanha que, dois anos depois, na África do Sul, se sagra campeã do mundo frente aos Países Baixos, sob o comando de Vicente del Bosque, e que, em 2012, tem a oportunidade de revalidar o título europeu.

Desta vez a final foi em Kiev, coisa que nos tempos que correm seria impossível de acontecer, e é com Pedro Proença como árbitro que a Espanha ergue pela terceira vez a taça Henri Delaunay, após golear a Itália por 4-0.

A vingança italiana chega em dose dupla nos Europeus seguintes. Em 2016, a Itália não permite sequer que os espanhóis passem a fase de grupos. E no último Europeu, os italianos afastaram a Espanha antes de festejarem o título em Wembley.

Espanhóis e italianos voltam a estar olhos nos olhos no Euro2024, no Grupo B. Veremos quem ri no fim…

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.