Histórias do Europeu
A Renascença conta-lhe as glórias e as desventuras dos Campeonatos da Europa de futebol, uma história que tem início em 1960 e que se estende até aos dias de hoje. E há de tudo: lendas, vitórias épicas, derrotas inesperadas, golos especiais e episódios memoráveis. “Histórias do Europeu” é um programa para ouvir de segunda a sexta, ao meio-dia e às oito da noite, na Renascença e, sempre que quiser, em podcast.
A+ / A-
Arquivo
Quando a moeda foi ao ar, a sorte grande saiu à Itália: o episódio 10 do “Histórias do Europeu”

"Histórias do Europeu"

Quando a moeda foi ao ar, a sorte grande saiu à Itália: o episódio 10 do “Histórias do Europeu”

27 mai, 2024 • Luís Aresta


Neste décimo episódio, Luís Aresta fala-se sobre a inusitada história da Itália no Euro 1968. A Renascença conta-lhe as glórias e as desventuras dos Campeonatos da Europa de futebol. De 1960 aos dias de hoje… há de tudo: lendas, vitórias épicas, derrotas inesperadas, golos especiais e episódios memoráveis!

Nápoles, 1968.

A Itália apresenta-se nas meias-finais do Europeu frente ao mesmo adversário que a eliminara dois anos antes, no Campeonato do Mundo, a União Soviética, a primeira campeã europeia da história.

Italianos e soviéticos eram conhecidos por terem defesas bastante sólidas. Na baliza de Itália está o inesquecível Dino Zoff, na altura guarda-redes do Nápoles (jogava em casa, portanto...). As redes soviéticas estão à guarda de Yuri Pshenichnikov.

A meia-final não começa bem para os italianos, que aos cinco minutos perdem por lesão o médio ofensivo Gianni Rivera, ‘il bambino di oro’. Na altura não há permissão para substituições e a Itália fica obrigada a jogar reduzida a 10 unidades.

Era uma péssima notícia para o selecionador Ferruccio Valcareggi que, antes do encontro, dissera que a URSS "não era imbatível".

A lesão de Rivera reforça a tendência defensiva da ‘squadra azurra’ perante uma União Soviética que tinha como grande baixa Igor Chislenko, autor do golo que eliminara os italianos no Mundial de 1966.

Ao intervalo os soviéticos goleiam em pontapés de canto (seis, no total). Golos é que não há, nem na primeira parte, nem na segunda. Zero-zero é o resultado ao fim de 90 minutos disputados debaixo de uma intempérie.

O prolongamento não entra nesta história. Entra, sim, o árbitro alemão Kurt Tschenscher, que convida os dois capitães e um dirigente de cada seleção a descer ao balneário para decidir o vencedor por… moeda ao ar. O árbitro pega numa moeda antiga. Facchetti, defesa da Itália, escolhe “coroa” e faz a escolha acertada.

O capitão não perde tempo, sobe as escadas a correr e, ao reaparecer no relvado, os 70 mil italianos nas bancadas festejam a passagem à final onde viriam a ser campeões frente à Jugoslávia. Pouco importa que a moeda ao ar tenha estado metida no título.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.