Histórias do Europeu
A Renascença conta-lhe as glórias e as desventuras dos Campeonatos da Europa de futebol, uma história que tem início em 1960 e que se estende até aos dias de hoje. E há de tudo: lendas, vitórias épicas, derrotas inesperadas, golos especiais e episódios memoráveis. “Histórias do Europeu” é um programa para ouvir de segunda a sexta, ao meio-dia e às oito da noite, na Renascença e, sempre que quiser, em podcast.
A+ / A-
Arquivo
Uma viagem ao mundo encantado dos golos de Cristiano: o episódio 11 do “Histórias do Europeu”

"Histórias do Europeu"

Uma viagem ao mundo encantado dos golos de Cristiano: o episódio 11 do “Histórias do Europeu”

28 mai, 2024


Neste 11.º episódio, Luís Aresta fala-se sobre a parte preferida do ofício de Cristiano Ronaldo. A Renascença conta-lhe as glórias e as desventuras dos Campeonatos da Europa de futebol. De 1960 aos dias de hoje… há de tudo: lendas, vitórias épicas, derrotas inesperadas, golos especiais e episódios memoráveis!

Cristiano Ronaldo estará na Alemanha à procura do seu 15º golo em fases finais de Europeus. Para o melhor goleador do mundo por seleções, este será o 6.º Campeonato da Europa consecutivo.

O primeiro foi em 2004, onde Cristiano, com 19 anos de idade, se estreou a marcar ao minuto 90 do Portugal–Grécia, no Estádio do Dragão, um golo que não evitou a derrota da seleção portuguesa no jogo de abertura da competição.

Nesse Europeu de estreia, Cristiano Ronaldo seria decisivo na meia-final ao marcar um dos dois golos com que Portugal afastou os Países Baixos. E por aí se ficou.

Já em 2008, um torneio em que Portugal caiu nos quartos de final com a Alemanha, Cristiano marcou por uma única vez. Foi na vitória, por 3-1, sobre a República Checa.

Quatro anos depois, em 2012, os checos voltaram a ser vítimas do goleador português, eliminados com um único golo, ao minuto 79, dos quartos de final. Antes, Ronaldo tinha bisado frente aos Países Baixos na fase de grupos.

Chegamos a 2016 e Cristiano Ronaldo foi, sem surpresas, um dos destaques do torneio. Na memória está o golo de calcanhar marcado à Hungria, um dos dois com que brindou os húngaros no empate a três. Na caminhada até à vitória épica sobre a França, foi ele a abrir o caminho para a final ao marcar de cabeça o primeiro dos dois golos com que Portugal eliminou o País de Gales.

Dois mil e vinte (ou melhor, 2021) foi o ano em que Cristiano Ronaldo se assumiu como o melhor marcador da história dos Campeonatos da Europa. Atingiu os 11 golos e ultrapassou Platini ao converter um penálti numa partida em que bisou diante da Hungria. A dose dupla seria repetida frente à França, na derradeira jornada do Grupo F, já depois de ter marcado na derrota com a Alemanha. Cinco golos no total, cinco golos que não evitariam que Portugal caísse sem glória nos oitavos de final com a Bélgica de Roberto Martínez.

Segue-se, neste mês de junho, o Euro 2024 na Alemanha, onde Portugal terá pela frente Geórgia, Turquia e Chéquia. Que os checos são um dos clientes preferidos de Cristiano Ronaldo já nós sabemos, mas turcos e georgianos ainda não sabem o que é sofrer um golo do melhor marcador da história dos Europeus.

Há sempre uma primeira vez. Veremos se é na Alemanha…

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.