Histórias do Europeu
A Renascença conta-lhe as glórias e as desventuras dos Campeonatos da Europa de futebol, uma história que tem início em 1960 e que se estende até aos dias de hoje. E há de tudo: lendas, vitórias épicas, derrotas inesperadas, golos especiais e episódios memoráveis. “Histórias do Europeu” é um programa para ouvir de segunda a sexta, ao meio-dia e às oito da noite, na Renascença e, sempre que quiser, em podcast.
A+ / A-
Arquivo
Quando Proença apitou a final: o episódio 9 do “Histórias do Europeu”

"Histórias do Europeu"

Quando Proença apitou a final: o episódio 9 do “Histórias do Europeu”

24 mai, 2024


Neste nono episódio, Luís Aresta conta-lhe sobre Pedro Proença e a final do Europeu apitada em 2012. A Renascença conta-lhe as glórias e as desventuras dos Campeonatos da Europa de futebol. De 1960 aos dias de hoje… há de tudo: lendas, vitórias épicas, derrotas inesperadas, golos especiais e episódios memoráveis!

1 de julho de 2012. Estádio Olímpico de Kiev.

Pedro Proença torna-se no primeiro e único árbitro português a dirigir, até hoje, uma final de um Campeonato da Europa. A época começara atribulada para o juiz lisboeta, agredido num centro comercial junto ao Estádio da Luz.

O incidente é notícia cá e lá fora, mas não impede Proença de, em maio de 2012, ver o seu nome anunciado pela UEFA para a final da Liga dos Campeões entre o Bayern de Munique e o Chelsea.

Segue-se o Europeu, com estreia a 14 de junho, em Gdansk, na Polónia, na segunda jornada do Grupo C: num jogo fácil, a Espanha, campeã europeia e mundial, goleia por 4-0 a República da Irlanda. Depois, Pedro Proença viaja para Kiev e orienta o França - Suécia, da terceira e última jornada do Grupo D; os escandinavos, já eliminados, vencem por 2-0. Segue-se nos quartos de final o empate a zero, de novo em Kiev, entre Inglaterra e Itália, que cairia para os italianos no desempate por penaltis.

A UEFA reconhece o bom desempenho do juiz português e nomeia-o para a final.

Pedro Proença já conhece bem a casa, quando a 1 de julho de 2012 entra no Estádio Olímpico de Kiev, à frente das seleções de Espanha e Itália.

Também inscrevem o nome na final os auxiliares Bertino Miranda e Ricardo Santos, bem como Jorge Sousa e Duarte Gomes, como árbitros de baliza.

Não há relato de casos. Pedro Proença exibe cartões amarelos a Gerard Piqué e ao italiano Andrea Barzagli. A Espanha bate a Itália por 4-0 e repete o título de campeã da Europa.

Um mês depois, pela primeira vez após a final do Europeu, Pedro Proença fala aos jornalistas em Alverca do Ribatejo

O ponto final na carreira dá-se em 2015, três anos depois da final de Kiev e de Pedro Proença ter sido considerado o melhor árbitro do mundo.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.