Henrique Raposo n´As Três da Manhã
Segundas e sexta-feiras, às 9h20, n'As Três da Manhã
A+ / A-
Arquivo
“Pedro Nuno Santos parece um avatar de José Sócrates”

Henrique Raposo

“Pedro Nuno Santos parece um avatar de José Sócrates”

05 jan, 2024 • Sérgio Costa , Olímpia Mairos


Henrique Raposo comenta a mais recente polémica com a compra de ações dos CTT pelo Estado e diz sobre Pedro Nuno Santos: "Tem ali um cheirinho, um odor a José Sócrates, no tom, na pose, aquela pose de ‘beato progressista’."

“Pedro Nuno Santos está a começar muito mal” e “faz lembrar outra figura ainda mais funesta que se chama José Sócrates”. Os comentários são de Henrique Raposo, na Renascença, sobre a mais recente polémica da compra de ações dos CTT pelo Estado.

“Quando estou a olhar para o Pedro Nuno Santos, parece que estou a ver um avatar do José Sócrates”, diz o comentador.

"Tem ali um cheirinho, um odor a José Sócrates, no tom, na pose, aquela pose de ‘beato progressista’”, reforça.

“Ele é que sabe tudo, ele vai fazer avançar tudo, e quem o criticar é malévolo e fascista, neoliberal, e todo aquele menu que sabemos, e depois é as trapalhadas - ainda mais objetivo - a trapalhada dos CTT. Ele foi apanhado na curva, parecia o Marcelo e a história do filho”, exemplifica.

No seu espaço de comentário n’As Três da Manhã, Henrique Raposo assinala ainda que, no caso da compra de ações pelo Estado, estamos perante “um problema de ‘Inside Information’”.

“Estamos a falar de uma decisão que foi mantida em segredo, mas em segredo dentro de um Governo que, agora, sabemos que tem pessoas de um calibre capaz de esconder 75.000 em garrafas de vinho e, portanto, nós temos o dever de desconfiar”, destaca.

"Quem está no espaço público tem o dever de desconfiar destas pessoas e Pedro Nuno Santos percebeu isso imediatamente. Por isso, no primeiro dia disse que não sabia de nada, mas, depois, teve que vir responder."

O comentador da Renascença aborda ainda o que considera a “trapalhada da CP, em greves sucessivas, a destruir o dia a dia das pessoas mais pobres que precisam do transporte público”.

“Estamos a falar da CP que iniciou um processo de reestruturação de dívida com o Pedro Nuno Santos. Estamos a falar de um valor de 1.8 mil milhões de euros que perdoamos à CP, através de Pedro Nuno Santos, para as coisas continuarem como estavam, como estão há anos, porque não se pode reformar nada na ferrovia portuguesa, não se pode colocar outras empresas a competir com a CP na linha”, remata Raposo.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.