Tempo
|
Henrique Raposo n´As Três da Manhã
Quartas-feiras, às 9h20, n'As Três da Manhã
A+ / A-
Arquivo
A ideia de uma guerra civil e um golpe militar no Brasil é um futuro previsível
A ideia de uma guerra civil e um golpe militar no Brasil é um futuro previsível

Opinião de Henrique Raposo

A ideia de uma guerra civil no Brasil é um futuro previsível

08 set, 2021 • Olímpia Mairos


Henrique Raposo comenta a postura do Presidente Jair Bolsonaro e antevê problemas nas eleições de outubro do próximo ano.

O comentador considera que Bolsonaro está a tentar repetir à letra a estratégia que Donald Trump seguiu na América.

“Tendo em conta a natureza do Brasil, que tem instituições mais novas, mais frágeis, acho que estamos perante uma coisa muito, muito, grave, onde a possibilidade de uma guerra civil, uma anarquia a sério é uma realidade muito mais forte no Brasil do que nos EUA”, alerta.

Para Henrique Raposo, perante a divisão do vermelho do PT de Lula, que “simboliza a corrupção”, e Bolsonaro que “simboliza, na mente de milhões de brasileiros, a purificação do sistema, é muito difícil sair desta temperatura" e “muito difícil encontrar aquilo que seria a única saída legal, que era uma terceira via, aparecer um candidato que congregasse o centro e conquistasse o poder nas urnas”.

A democracia está em perigo no Brasil e a “ideia de uma guerra civil e um golpe militar é um futuro previsível”, conclui.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Marcus Ferreira
    08 set, 2021 Rio de Janeiro 14:57
    E continuo....A tolerância e o respeito às demais correntes de pensamento devem ser observadas se se quer afirmar que o Brasil tem uma democracia plena, e sem filtros ideológicos. Todos devem poder expressar seus pensamentos e ideologias, sem ódio, sem injúrias, com o debate puro, e voto no Parlamento, e o STF, ao meu ver, não deve conceder liminares a partidos que perdem as votações de seus projetos de lei no Parlamento, pois ganhar e perder votações é do jogo democrático. Fazer valer a vontade e a narrativa de uma minoria, por meio de uma decisão monocrática, sobre a maioria é o que se pode afirmar como antidemocrático tanto quanto ameaçar de invasão a prédios dos Poderes da República. Cada Poder deve ter a exata ideia de seu papel e não invadir a competência do outro Poder. A Esquerda mais radical, do PT, de Lula, e do PSOL (partido tipo B.E. do BR) precisa aceitar e compreender que é da democracia este momento de concretização de representantes do Conservadorismo no Brasil. É preciso tolerar e saber conviver com esta corrente de pensamento, que se estabeleceu com Bolsonaro na Presidência. Bertrand Russel dizia que "o amor é sábio e o ódio é tolo". Somente com todos a se comportar com tolerância e compreensão de que muitas coisas que um e outro não gostam de ouvir serão ditas, e devem ser respeitadas, em nome da democracia e liberdade de expressão é que será possível devolver ao BR a sua paz social.
  • Marcus S Ferreira
    08 set, 2021 Rio de Janeiro 14:46
    Não há a menor possibilidade de ocorrer uma guerra civil no BR, pois as Forças Armadas não permitiriam e o povo não a quer. Há um certo grau de tolerância entre os partidários de Lula (progressistas) e de Bolsonaro (Conservadores). O povo não irá às armas. Esqueçam este cenário. A terceira via viria de uma composição entre Ciro Gomes, Dória, Mandetta, Moro e os Liberais, do Partido Novo. Gostava fosse o 2º turno das eleições entre Bolsonaro e Ciro Gomes, e Lula fora no 1º turno. O pomo da discórdia,segundo os partidários de Bolsonaro é o Inquérito do Fim do Mundo, no qual o Ministro Moraes, do STF, é, a um só tempo, a vítima dos ataques, ao meu ver, de ódio, mas também faz papel de acusador (seria papel do Ministério Público e não dele), e decide por prisões e constrições, e, ontem, mandou deter e interrogar o ex-assessor de Trump, que veio ao BR para o congresso CPAC. Ele não dá vista do processo aos advogados dos envolvidos, que alegam cerceamento de defesa. A acusação de Ativismo Judicial, junto com a negativa do voto auditável, e tais prisões de extremistas de Direita, dão o gás para um fogo inesgotável deste embate de narrativas. A corda está muito esticada e a crise institucional já se instalou em Brasília. A extinção do dito Inquérito, que violou o Princípio da Livre Distribuição do processo a um Min. sorteado (não houve sorteio) é o começo do fim desta crise . Ministro Moraes, o desafeto do Presidente, não presidir a eleição 2022 também contribui para o fim da crise.