Henrique Monteiro n´As Três da Manhã
Terças e quintas-feiras, às 9h20, n'As Três da Manhã
A+ / A-
Arquivo
“As nossas Forças Armadas nunca foram redimensionadas a sério”

Henrique Monteiro

“As nossas Forças Armadas nunca foram redimensionadas a sério”

28 abr, 2022 • Marta Grosso


Henrique Monteiro comenta as recomendações do Presidente da República para as Forças Armadas Portuguesas e a resposta do Governo, que diz já estar tudo previsto no Orçamento do Estado para este ano.

“Não ligámos ao que Marcelo disse”, afirma Henrique Monteiro. O Governo diz que está tudo no Orçamento do Estado, “o que é estranho porque o Orçamento foi feito antes da guerra”.

Por outro lado, houve cortes na proposta do Governo, justificado com anulação de uma secretaria de Estado.

Na opinião de Henrique Monteiro, esta postura “é grave” e transmite um mau sinal “à Europa e à Ucrânia”.

Olhando para o estado das Forças Armadas, este comentador das Três da Manhã considera que “nunca foram redimensionadas a sério”, na medida em que o Exército ainda é a maior força “e fazia mais sentido desenvolver a Armada”.

Sobre o serviço militar obrigatório, Henrique Monteiro defende mais “um serviço cívico obrigatório”.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Cidadao
    28 abr, 2022 Lisboa 10:33
    Claro, só não vê, quem é um PS obtuso, ou tem pálas nos olhos. Um Orçamento para a Defesa que até contempla um corte de 800 000€, em orçamentos muito longe dos tais 2%, e que foi feito quando não havia guerra, é o melhor indicador que o governo PS tenciona continuar no blá-blá, mas nada ou quase nada vai fazer pela Defesa, a não ser que do lado da NATO comecem a exigir não uma companhia, mas uma Brigada, um regimento, forças que se vejam. No resto, sempre achei que embora sem descurar o aspeto do envio de forças, a nossa principal preocupação devia ser a Defesa dos espaços aéreo e Maritimo Nacionais, pelo que Marinha e Força Aérea tinham de ser reforçadas e haver uma Defesa anti-aérea integrada digna desse nome..