Tempo
|
Henrique Monteiro n´As Três da Manhã
Terças e quintas-feiras, às 9h20, n'As Três da Manhã
A+ / A-
Arquivo
Abramovich. “Podemos esta a pôr dentro de casa aquilo que se chama um cavalo de troia”

Henrique Monteiro

Abramovich. “Podemos estar a pôr dentro de casa um cavalo de Troia”

13 jan, 2022 • Olímpia Mairos


O comentador alerta para o perigo de o multimilionário russo “ser o braço direito do próprio Putin”.

O comentador d’As Três da Manhã concorda com o inquérito interno no Instituto de Registo e Notariado, com audição de trabalhadores e entidades externas, para apurar se a naturalização de Abramovich decorreu, de facto, de forma totalmente transparente.

Henrique Monteiro, que foi uma das pessoas que na altura escreveu à ministra Constança Urbano de Sousa, manifestando-se contra a “lei dos sefarditas”, considera que é Roman Abramovich que tem que provar que é sefardita.

O comentador alerta que a “comunidade israelita do Porto pode estar a ser demasiado abrangente naquilo que considera um sefardita” e para o perigo de Abramovich “ser o braço direito do próprio Putin”.

Estarmos a “dar um passaporte que dá acesso, sem visto, a centenas de países, sem mostrar absolutamente nada, nem é preciso passaporte no espaço da União Europeia. Nós podemos estar a pôr dentro de casa aquilo que se chama um cavalo de troia”, alerta.

Henrique Monteiro refere ainda que o processo de Roman Abramovich, para obter a nacionalidade portuguesa, foi dos mais rápidos de sempre, destacando que aconteceu - segundo se diz – depois de ter dado muito dinheiro à comunidade israelita do Porto.

“Isto pode ser visto, por um lado, positivo, que é: ele sente-se sefardita e apoia a comunidade, uma vez que é multimilionário”, ressalva, mas para o comentador, com a naturalização de Abramovich Portugal “nada tem a ganhar, a não ser que haja aí qualquer coisa escondida”.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.