Tempo
|
Henrique Monteiro n´As Três da Manhã
Terças e quintas-feiras, às 9h20, n'As Três da Manhã
A+ / A-
Arquivo
O PS não tem com quem namorar
O PS não tem com quem namorar

Henrique Monteiro

"O PS não tem com quem namorar"

25 nov, 2021 • Olímpia Mairos


Comentador analisa a entrevista do ministro das Finanças à Renascença e jornal Público.

O comentador d’As Três da Manhã considera que é tranquilizador para as pessoas saberem que o Governo, a governar em duodécimos, tem condições para pagar os aumentos da função pública.

E o ministro “tem razão, porque os salários são vezes catorze e, portanto, quando divide catorze por doze dá-lhe para aumentar 0,9 num mês”, explica Henrique Monteiro.

Já em relação às medidas que vão ser hoje aprovadas, em Conselho de Ministros, para travar os contágios, não afetarem a economia, tem dúvidas. “O problema que nós temos perante a pandemia é a nossa enorme ignorância. Nós pensávamos que com a imunidade de grupo, vacina,… isto acabava, e não acabou; está pior outra vez”, argumenta.

Numa outra passagem da entrevista, João Leão afirma que a melhor solução para o futuro do país é o PS ter uma maioria reforçada nas próximas legislativas, admitindo que entendimentos com o PSD são difíceis.

“O PS não tem ninguém com quem namorar, mas vai ter que namorar, se não tiver maioria absoluta”, atira Henrique Monteiro, explicando que “é mais fácil o PS namorar com o PSD do que com os outros”, porque “o orçamento caiu, porque o PS não cedeu a determinadas exigências que o Bloco de Esquerda e o PCP lhe fizeram”.

“Se depois ganhar as eleições sem maioria absoluta e ceder, toda a gente vai perguntar para que foi esta palhaçada toda. Por outro lado, se o BE e o PCP passarem a apoiar um orçamento e uma política que não tem em conta aquilo que eles querem, pergunta-se ao PCP e ao BE parra quê esta palhaçada toda”, explica.

Por isso, Henrique Monteiro conclui que “é muito fácil para Costa, e Costa não tem problemas de consciência nem grandes problemas políticos, em voltar-se um bocadinho mais para a direita”.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.