Emissão Renascença | Ouvir Online
Francisco Sarsfield Cabral
Opinião de Francisco Sarsfield Cabral
A+ / A-

​Catalunha e Espanha

07 fev, 2024 • Opinião de Francisco Sarsfield Cabral


Para continuar presidente do Governo espanhol, P. Sánchez precisa do apoio do mais radical partido independentista catalão. Mas a maioria da população da Catalunha não é atualmente partidária da independência.

A continuidade no cargo de chefe do governo nacional espanhol, o socialista Pedro Sánchez, depende de um acordo com o partido independentista da Catalunha de Carles Puigdemont, exilado na Bélgica. Esse acordo já avançou e já recuou, mostrando as suas fragilidades.

Será P. Sánchez um ardente partidário da independência da Catalunha? Não, ele até há pouco - até à derrota eleitoral do seu partido, o PSOE, em maio de 2023 - não era. Mas depois dessa derrota precisa dos votos dos independentistas catalães para ter no parlamento espanhol uma maioria que leve à sua confirmação como Presidente do Governo (primeiro ministro).

Puigdemont encontra-se refugiado na Bélgica desde 2017, fugindo às sanções por ter nessa altura proclamado ilegalmente a independência da Catalunha, que considera ser “oprimida” pelo Estado espanhol. É, assim, o mais radical dos independentistas catalães.

Mas a maioria da população da Catalunha não é atualmente partidária da independência. Sondagens entre fevereiro de 2015 e março de 2019 davam uma ligeira maioria na Catalunha favorável à independência; mas a última sondagem, de novembro do ano passado, indicava que 52% dos inquiridos se diziam contra a independência, e apenas 41% se diziam favoráveis.

Não se pode, assim, dizer que a opção da independência assenta numa grande vaga de opinião dos catalães. Só que Sánchez não está empenhado na independência da Catalunha, o que ele tenta é continuar a governar Espanha, depois do PSOE ter perdido muitos votos. Ora a maneira como ele tenta concretizar esse objetivo é extremamente perigosa, pois se arrisca a quebrar a unidade de Espanha.

Tudo isto tem frequentemente transformado o debate público espanhol numa violenta troca de insultos, enquanto tarda a estabilidade governamental.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.