Emissão Renascença | Ouvir Online
Francisco Sarsfield Cabral
Opinião de Francisco Sarsfield Cabral
A+ / A-

​Alemães contra a extrema-direita

31 jan, 2024 • Opinião de Francisco Sarsfield Cabral


Na Alemanha, registam-se numerosas manifestações contra o partido de extrema-direita AfD. Este partido perdeu uma eleição local em que era favorito, por efeito da reação popular contra a extrema-direita.

Seguimos, com preocupação, os protestos dos agricultores franceses. Os vários cortes de estradas afetaram camionistas vindos de Portugal e também camionistas dirigidos ao nosso país. E há a lamentar episódios de violência que atingiram alguns destes camionistas.

Mais importantes para o futuro da Europa são as manifestações que, na Alemanha, protestaram contra posições radicais anti-imigrante tomadas pelo partido de extrema-direita AfD, Alternativa para a Alemanha. Nas últimas semanas, o partido AfD tem sido alvo de forte contestação, com manifestações um pouco por todo o país. Durante o fim-de-semana perto de um milhão de pessoas saíram à rua em centenas de cidades e aldeias do país, para denunciar os perigos que a ascensão do partido representa para a democracia.

A divulgação de um plano, que estaria a ser preparado pela AfD, para a expulsão em massa de estrangeiros e "cidadãos não assimilados", chocou muitos alemães e incentivou as manifestações contra o extremismo da AfD. Ora estas manifestações pró-democracia levaram no passado domingo a AfD perder uma eleição local em que era o partido favorito. Aconteceu no distrito de Saale-Orla, na região da Turíngia (leste da Alemanha).

Os alemães não esquecem o horror do nazismo e da eliminação deliberada de judeus, homossexuais, ciganos, deficientes etc. O Holocausto foi uma das maiores tragédias do século XX. E revelou uma preocupante mentalidade hostil às pessoas diferentes, ao ponto de levar ao seu assassínio em massa.

Por isso, hoje os alemães reagem frontalmente contra partidos e propostas que lembram esse passado trágico da Alemanha. É uma reação que os parceiros europeus da Alemanha agradecem.

Mas os outros países europeus devem também rejeitar ideias e propostas de leis evocativas do fascismo. Sobretudo países como Portugal e Espanha, que viveram décadas sob regimes ditatoriais. Regimes que, sem chegarem aos extremos desumanos do nazismo alemão, limitaram muitos direitos e liberdades.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • José J C Cruz Pinto
    31 jan, 2024 ÍLHAVO 10:02
    Quando aprenderemos nós alguma coisa com a Alemanha?